Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

A identidade secreta do povo português

Boca do Inferno

  • 333

Em 2002, Durão Barroso disse que Portugal estava de tanga. Entretanto, passaram 11 anos e é difícil negar que fomos perdendo cada vez mais roupa. Eu não sou crítico de moda, mas creio que estamos perante uma impossibilidade

Ricardo Araújo Pereira

Em 2002, Durão Barroso disse que Portugal estava de tanga. Entretanto, passaram 11 anos e é difícil negar que fomos perdendo cada vez mais roupa. Eu não sou crítico de moda, mas creio que estamos perante uma impossibilidade. Não é possível passar uma década a confiscar a indumentária a um povo que já está de tanga. Minto: é possível apenas em duas situações muito específicas e altamente improváveis. Se o povo em causa tiver a tanga vestida por cima do resto da roupa, pode dizer-se que está de tanga no primeiro momento, e fica apto a continuar a perder peças de vestuário antes de se achar completamente nu. Esta hipótese, a verificar-se, confirma a minha suspeita antiga de que o povo português é o Super-Homem. Tinha a tanga por cima da roupa em 2002 e foi ficando sem a capa e o fatinho de licra azul ao longo dos últimos anos. E aguentou tudo com força sobre-humana, que é a única maneira de um povo aguentar isto.

Outra hipótese: em 2002 o povo estava, de facto, de tanga, mas tinha várias tangas vestidas, umas por cima das outras. E foi perdendo tangas, ano após ano, até estar na situação em que se encontra agora - em que, se não está nu, estará, no máximo, monotanga. Nesse caso, o povo português não é o Super-Homem. É uma espécie de Tarzan multicueca. Um Tarzan que, tendo viagem marcada na Ryanair e, por não querer pagar uma quantia extra pela bagagem, levasse todas as suas tangas vestidas, por exemplo.

Seja qual for a hipótese correcta, é seguro afirmar a excepcionalidade do povo português, dadas as características admiráveis, quer do homem de aço, quer do rei dos macacos. Não ignoro que haja bons argumentos para refutar estas hipóteses. Pode dizer-se, por exemplo, que a posição em que estamos, no que à soberania diz respeito, torna muito improvável que o povo português seja, na verdade, o rei de alguma coisa, dado que temos cada vez mais dificuldade em fazer súbditos, mesmo entre os símios. Também é difícil identificar o povo português com o Super-Homem, sobretudo tendo em conta a extraordinária habilidade deste para combater o crime e a nossa absoluta incapacidade de meter bandidos na cadeia. Mas eu continuo inclinado para achar que o povo português tem uma identidade secreta oriunda do universo da ficção, na medida em que me parece, ele próprio, uma personagem fictícia: nenhum povo de carne e osso teria a capacidade de, empobrecido e desesperado como está o nosso, manter a nobreza de alma que é evidenciada quando os protestos se fazem a cantar e a rir.