Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Solidariedade com a feira do fumeiro

A greve dos motoristas de matérias perigosas já causou transtorno, designadamente sob a forma de notícias sobre o facto de a greve dos motoristas de matérias perigosas ainda não ter causado transtorno

Ilustração: João Fazenda

No momento em que escrevo, a greve dos motoristas de matérias perigosas já causou transtorno, designadamente sob a forma de notícias sobre o facto de a greve dos motoristas de matérias perigosas ainda não ter causado transtorno.

É possível que, quando este número da VISÃO for publicado, o País já esteja em pleno apocalipse energético. É possível, aliás, que este número da VISÃO não chegue a ser publicado, por falta de combustível necessário para escrever, imprimir e distribuir a revista – e, nesse caso, o leitor não conseguirá ler este texto. Aí, sim, não tenho dúvidas de que o governo enfrentará protestos sangrentos. Mas até chegarmos a essa situação de rotura, a esse ponto extremo de barbárie em que o público se vê privado das minhas baboseiras semanais, por enquanto não se passa nada. Ou melhor, já há gente que sofre, e muito. Os organizadores de festivais do caracol, feiras do fumeiro e festas do marisco, que nesta altura do ano costumam receber a visita de diligentes jornalistas estagiários, perdem a oportunidade de preencher horas de emissão dedicada aos seus certames. Quem diz certames diz iniciativas. Ou mostras. Esta costuma ser a época dos certames, das iniciativas e das mostras. E dos eventos.

Por falta de assunto, a comunicação social dedica-lhes bastante tempo de antena. Este ano, no entanto, a greve dos motoristas obscurece tudo o resto. Primeiro, porque é mais importante do que o festival do caracol; segundo, porque em princípio ninguém vai ter gasolina para ir ao festival do caracol. O problema é que, como já disse, ainda não aconteceu nada de especial. O que significa que as peças jornalísticas que estão a substituir as reportagens sobre o festival do caracol não valem um caracol. Em vez de observações concretas sobre o caracol (também ele concreto), especulações sobre o que poderá acontecer se os abastecimentos se fizerem a passo de caracol. Muito menos interessante. Mesmo que a greve dos motoristas paralise todo o País, esta cobertura intensiva dos postos de abastecimento desertos não parece uma estratégia acertada: impedidas de sair à rua por falta de gasolina, as pessoas ficam em casa a ver que as ruas estão vazias por falta de gasolina. Dá vontade de ir para longe. Infelizmente, não há gasolina.

(Crónica publicada na VISÃO 1380 de 15 de agosto)

ASSINE POR UM ANO A VISÃO, VISÃO JÚNIOR, JL, EXAME OU EXAME INFORMÁTICA E OFERECEMOS-LHE 6 MESES GRÁTIS, NA VERSÃO IMPRESSA E/OU DIGITAL. Saiba mais aqui.