Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Baby please don’t go

Que graça tem um videoclipe em que Madonna não pode cantar para um equídeo sob os tectos ricamente decorados de um palacete? Como é que passámos de ser uma nação valente, que dá novos mundos ao mundo, para um país mesquinho que atrapalha a filmagem de videoclipes?

Ilustração: João Fazenda

E agora, meu Deus, e agora? Com que leviandade se criou este desagradável incidente diplomático entre duas grandes instituições, a República Portuguesa e a cançonetista Madonna? A artista queria filmar um videoclipe com um cavalo dentro de um palácio oitocentista e o presidente da Câmara de Sintra não deixou. Como é óbvio, a decisão surpreendeu Madonna: se lhe dão um estacionamento para 15 carros em Lisboa, com que argumento lhe negam um estábulo para um cavalo em Sintra? É uma desfeita que a estrela não merecia. Segundo os jornais, Madonna lamentou o sucedido nestes termos: “Já dei tanto a este país e quando peço um favor simples, de facto para mostrar Portugal ao mundo, a resposta que obtenho é negativa.” Escusávamos de ter ouvido esta. É humilhante que Madonna seja forçada a recordar-nos o que já nos deu, sobretudo sob a forma de posts no Instagram. Um post da Madonna no Instagram vale milhares de milhões de euros para o nosso turismo e desconto em cartão. É importante não esquecer que, uma vez, um coxo viu um post da Madonna no Instagram e hoje corre a maratona em menos de duas horas e meia. Coxo esse que tinha lepra, e já não tem. Experimentem perguntar aos turistas porque é que resolveram visitar Portugal. Foi o clima, a comida, o património histórico? Não, responderão todos. Foram os posts da Madonna no Instagram. E a Câmara de Sintra não é sensível a isto. Sobretudo quando o videoclipe não tinha o objectivo egoísta de promover uma nova canção, mas sim de mostrar Portugal ao mundo. Haverá melhores maneiras de mostrar Portugal ao mundo do que enfiar um puro-sangue lusitano dentro de um palacete? Não me ocorrem muitas mais. Soltar 200 rafeiros alentejanos nos Jerónimos, ou obrigar um toiro bravo da ganadaria do Dr. Brito Pais a subir a Torre dos Clérigos até lá acima parecem soluções menos boas, por muito espectaculares que também possam ser. Sobretudo se o toiro comer um cartucho de pastéis de Belém à chegada ao miradouro.

Como é evidente, Madonna zangou-se e culpou azedamente o seu agente: “A culpa é tua. Tu é que me convenceste a vir morar para cá.” De facto, não lembra a ninguém convencer uma estrela mundial a vir viver para um dos poucos países do mundo em que um bicho de 600 quilos não é bem-vindo no interior de um palácio. É difícil tolerar estas regras do terceiro mundo.

E agora? Perante este desagradável revés, o que resta à popular cantora? Filmar sem um cavalo? Mas que graça tem um videoclipe em que Madonna não pode cantar para um equídeo sob os tectos ricamente decorados de um palacete? Como é que passámos de ser uma nação valente, que dá novos mundos ao mundo, para um país mesquinho que atrapalha a filmagem de videoclipes? Que vergonha, Portugal.

(Crónica publicada na VISÃO 1360 de 27 de março)

ASSINE AQUI A VISÃO E RECEBA UM SACO DE OFERTA