Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Biggs Paradiso

Bem-haja quem protege os nossos pequeninos do amor

Ilustração: João Fazenda

É uma pena que Giuseppe Tornatore não tenha tido imaginação suficiente para incluir a ERC na lista de personagens do filme Cinema 
Paradiso. Já era tempo de as entidades reguladoras terem bons papéis no cinema, porque são personagens densas e complexas, e dariam espessura às narrativas. Em Cinema Paradiso, como é sabido, um padre submete a censura prévia os filmes que passam no cinema de um lugarejo italiano, cortando todas as cenas de beijos. Digo censura prévia porque, como infelizmente a ERC não participa no filme para orientar o espectador, a gente tem a tentação de concluir, precipitadamente, que censura é censura.

Esta semana, a ERC decidiu a favor do canal Biggs – que, como o padre de Cinema Paradiso, cortou um beijo numa série de animação. A directora do Biggs disse que o corte constituía “uma apreciação de natureza editorial, que nada tem a ver com censura” 
– e a ERC, pelos vistos, concordou. Como sempre que um programa é alvo de uma apreciação de natureza editorial, a minha curiosidade excitou-se. É como se costuma dizer: o fruto editorialmente apreciado é sempre o mais apetecido. Até o Marquês de Pombal, quando criou a Real Mesa Realizadora de Apreciações de Natureza Editorial, devia saber que as obras ali julgadas viriam a atrair mais atenção sobre si mesmas. Portanto, fui ver o canal Biggs. Foi tempo bem gasto. 
O programa em causa chama-se Sailor Moon Crystal, e conta a história de um grupo de moças que são guardiãs do universo. Há várias batalhas, explosões, bichos esquisitos, espadas que brilham, raios laser destruidores e mortes. O canal Biggs achou, no entanto, que a parte que podia perturbar o seu público juvenil era um beijo. É um beijo entre duas personagens femininas, ou seja, a matéria que costuma dar pesadelos às crianças. Quantos pais não tiveram já 
de consolar os filhos que acordam, de madrugada, 
encharcados em suor e a gritar coisas deste tipo:

– NÃO! NÃO!

– O que foi, Pedrinho? Estiveste outra vez a ver 
Sailor Moon Crystal?

– Sim…

– Estás com medo da vilã, a pérfida Rainha Beryl 
do Reino das Trevas?

– Não. Eu tolero-a bem, e à sua vontade de obter 
o poderoso Cristal de Prata com o fim de destruir tudo o que há de mais belo no universo.

– Então? Impressionou-te a morte da Chibiusa 
às mãos daquela personagem também maléfica, cujo 
cabelo de repente se transformou numa espécie de erva daninha que estrangulou a outra e a atirou ao chão com violência?

– Não, não. Isso foi muito giro.

– Se calhar estás perturbado com aqueles grandes planos dos olhos das personagens, típicos da animação japonesa, que transmitem uma densidade psicológica que nós não captamos, e ficamos armados em parvos a olhar para aquilo com a sensação de que é a nossa superficialidade ocidental que nos impede de perceber o que raio é que os bonecos estão a sentir durante aquele tempo todo?

– Não. Foi o beijo entre duas personagens femininas. Aquele amor abala os alicerces da minha personalidade infanto-juvenil, pois vai contra a lei de Deus. Posso jogar um pouco de Grand Theft Auto, para desanuviar? Estou a dois homicídios de obter um precioso bónus.

Estas cenas são frequentíssimas, infelizmente. Mas graças à ERC, ao canal Biggs e ao padre 
do Cinema Paradiso, podem finalmente acabar. 
Ufa. Bem-haja quem protege os nossos pequeninos do amor.

(Crónica publicada na VISÃO 1319 de 15 de junho)