Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Arons de Carvalho pronuncia-se sobre assuntos

Não acho reprovável uma Bruxa Má oferecer uma maçã a uma princesa. A fruta contém vitaminas, que são importantes em qualquer dieta

Ilustração: João Fazenda

“Não acho reprovável uma pessoa viver 
com dinheiro emprestado de outra.”
Arons de Carvalho

Não acho reprovável um empresário 
de Chicago desenvolver negócios na área da restauração e dos jogos de azar. Al Capone nunca foi condenado por crimes de sangue. O PS deve aguardar serenamente aquilo que a justiça vai dizer. Temos de esperar sem intervir e sem comentar. Mesmo quanto à condenação por fraude fiscal, 
é importante não esquecer que, por vezes, os contabilistas agem por conta própria, manchando a reputação de cidadãos inocentes.

Não acho reprovável um antigo jogador de futebol americano ter, nas imediações da sua casa, uma luva ensanguentada. O PS aguardou serenamente pela decisão da justiça e a verdade é que O. J. Simpson foi absolvido pelo tribunal. Qualquer intervenção pública que contestasse a inocência de Simpson constituiria uma séria perturbação da justiça. Só porque 
há indícios claros, contradições flagrantes e admissão 
de práticas condenáveis, o PS não deve retirar qualquer conclusão. Quando começamos a formular juízos legitimados pela realidade dos factos, enveredamos por um caminho perigoso que não sabemos onde vai parar.

Não acho reprovável um professor de química ter um biscate fora da escola. Walter White revelou iniciativa e empreendedorismo, e fundou uma startup 
de sucesso. Identificou um nicho de mercado e utilizou o seu know-how para produzir um produto de qualidade que teve grande aceitação por parte do público. A justiça investigou e as acusações produzidas nunca foram mais do que uma mão-cheia de nada. Sempre que o Ministério Público reuniu testemunhas, elas levaram um tiro ou mergulharam por acidente 
em bidons de ácido, o que revela alguma falta 
de inteligência e coloca em causa a sua credibilidade.

Não acho reprovável uma Bruxa Má oferecer uma maçã a uma princesa. A fruta contém vitaminas, que são importantes em qualquer dieta. Acompanhei a situação pelos jornais, mas não faço ideia se é verdade. Ninguém pode garantir que o veneno estava na maçã. Branca de Neve morava na floresta e pode ter tido a tentação de colher cogumelos esquisitos. O congresso do PS deve aguardar serenamente o resultado 
da investigação à Bruxa, que nunca foi condenada.

Não acho reprovável uma pessoa viver com dinheiro emprestado de outra. Mesmo que, claramente, 
o dinheiro não seja emprestado. Mesmo que a pessoa que empresta, por azar, tenha destruído o documento em que registava o montante emprestado. Mesmo 
que quem recebe o empréstimo tenha presidido 
a um governo que fez vários negócios com a empresa de quem empresta. Mesmo que a conta da qual saía o dinheiro emprestado servisse unicamente para aqueles empréstimos. E o dinheiro pode ter várias origens. 
Por exemplo, o eng. José Sócrates tem 32 dentes 
– facto que tem sido escamoteado. O dinheiro pode ter origem na Fada dos Dentes. A 750 mil euros 
por dente, dá os tais 24 milhões. É uma hipótese. 
Não conhecemos os dados todos. Vamos aguardar.

(Crónica publicada na VISÃO 1313 de 3 de maio)