Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Não há e-fome que não dê em e-factura

Tenho a certeza de que, com um pouco de imaginação, o Ministério das Finanças conseguiria encontrar uma maneira de, depois do pedido e da validação, obrigar o cidadão a realizar mais duas ou três operações fiscais com estas mesmas facturas

João Fazenda

Todos os anos prometo o mesmo: desta vez é que eu não vou deixar a validação de facturas para o fim do prazo. Vou ser um cidadão responsável e validar facturas dia a dia. É rápido e fácil. Ou então semana a semana. Assim é que é. Tiro um bocadinho ao fim-de-semana e valido, não custa nada. Se calhar é melhor mês a mês. Sim, mês a mês é mais sensato. E depois chega Fevereiro e tenho as facturas todas por validar. Sou, ao mesmo tempo, um daqueles políticos aldrabões e o eleitorado traído.

Esta semana tenho estado a dar o meu passeio anual pelos bens e serviços que adquiri nos doze meses anteriores. É contabilidade e nostalgia. Um álbum de recordações do consumo. Depois de um ano a pedir facturas e a fornecer números de contribuinte, dedico-me agora a verificar facturas e a reintroduzir números de contribuinte. É pena que o sistema fique por aqui. Gostaria muito de manter o convívio com estas facturas por mais algum tempo. Tenho a certeza de que, com um pouco de imaginação, o Ministério das Finanças conseguiria encontrar uma maneira de, depois do pedido e da validação, obrigar o cidadão a realizar mais duas ou três operações fiscais com estas mesmas facturas. Uma revisão da validação, por exemplo. Ou a verificação da revisão da validação. Ou a comemoração das bodas de prata da validação, efectuada 25 anos após o pedido da factura.

Enquanto o processo de validação se mantém como está, o contribuinte tem o gosto de se confrontar com facturas que foram inseridas e validadas, outras que foram inseridas mas estão por validar, e outras ainda que nem foram inseridas nem estão validadas. Ninguém sabe porque é que o sistema deixa facturas por validar ou inserir, mas todas estas três modalidades oferecem diferentes prazeres. A simples verificação conforta, mas a validação realiza-nos. E a reintrodução completa de facturas requisitadas há meses exercita a memória. A que se referem estes 12 euros e meio que paguei à “Manuel Antunes, Lda” a 12 de Maio de 2017? Será uma despesa de Habitação? Saúde? Ou Outros? Não faço a mínima ideia. Por isso, em princípio, é Outros. 
É impressionante o dinheiro que, anualmente, gasto em Outros.

(Crónica publicada na VISÃO 1301, de 8 de fevereiro de 2018)