Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

O problema da habitação

Gostaria de viver numa casa inventada, sita numa rua fictícia, pagando uma renda imaginária e um IMI quimérico. É poesia e poupança, tudo ao mesmo tempo

Ilustração: João Fazenda

Quando se soube que, no mês anterior às eleições internas do PSD, 13 mil militantes tinham ido pagar as quotas para poderem votar, louvei o surto de militância, mas receei que a despesa súbita pesasse no orçamento daqueles sociais-democratas. Não me enganei. Agora veio nos jornais que, em Ovar, 17 militantes do PSD moravam na mesma casa. O que gastaram nas quotas foram forçados a poupar na renda. Talvez não tenha sido um grande sacrifício: uma comunidade de militantes do PSD, vivendo juntos e dormindo em camarata, é uma boa ideia. Estimula a entreajuda e a troca de impressões sobre a vida interna do partido. Uma espécie de internato ideológico. Os militantes do Bloco vão acampar para a mata; os do PSD vão coabitar numa vivenda em Ovar. Faz sentido.

Fiquei mais sossegado quando os jornais foram investigar a casa em questão e descobriram que não era habitada por 17 pessoas mas por apenas 8 – nenhuma das quais militante do PSD. Melhor ainda: 17 militantes do PSD possuem uma moradia em sociedade e alugam-na a gente que não é social-democrata. Lucram onerando pessoas de outros quadrantes ideológicos.

O caso é ainda mais interessante no número 379 da Rua dos Pescadores, na mesma localidade. Nessa morada vivem mais 
8 militantes do PSD, embora não haja lá qualquer casa. Vivem num terreno baldio, demonstrando um despojamento e um amor à natureza que vão rareando neste nosso mundo moderno. O episódio faz lembrar as eleições internas do PS, em 2011, altura em que vários militantes de Coimbra declararam morar na Rua da Amizade, que seria um excelente sítio para viver, não fosse o caso de não existir. A militante que denunciou o caso foi justamente expulsa do partido. Mandaram-na para o olho da rua, e dessa vez era uma rua real. Mas, uns anos mais tarde, o Tribunal Constitucional reverteu a expulsão, o que não se compreende. Se há militantes que desejam morar numa rua que não existe, não devem ser impedidos. É um direito e, simultaneamente, uma divertida partida pregada aos CTT. Eu próprio gostaria de viver numa casa inventada, sita numa rua fictícia, pagando uma renda imaginária e um IMI quimérico. É poesia e poupança, tudo ao mesmo tempo. E eu aprecio poesia e gosto ainda mais de poupança.

Fica desmentida, portanto, a ideia de que PSD e PS são os partidos chatos do pragmatismo. Há aqui uma espécie de bloco central do sonho e da utopia, da imaginação e do devaneio. Gostava de enviar um postal de parabéns a ambos os partidos, mas não sei a morada.

(Crónica publicada na VISÃO 1298 de 18 de janeiro)