Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

História do século XXI, primeiro volume

Ao que se imagina, o principal problema de Kim Jong-un era o facto de a cara de Kim Jong-un ser extremamente parecida com o rabo de Kim Jong-un

João Fazenda

Ainda é difícil para nós, historiadores do século XXII, perceber os acontecimentos que precederam a III Guerra Mundial, no início do século passado.

É difícil não só pelo escasso acesso às fontes, cuja destruição foi quase total, mas também porque só há cerca de dez anos deixámos de fazer fogo com pedras, o que prejudica bastante a historiografia. Quem precisa de esfregar dois calhaus para fazer o jantar (normalmente, baratas fritas) tem menos tempo para dedicar ao estudo da História do que um académico que disponha de um aparelho a que os antigos chamavam fogão. Segundo certos relatos, uma frase popular no século XXI dizia: "A História repete-se." Essa ideia parecia ignorar outra, porventura mais importante: "A Pré-História repete-se também." Foi o que aconteceu após a devastação provocada pela III Guerra. Sobre esse conflito global sabemos apenas que foi provocado por testes nucleares levados a cabo por Kim Jong-un, o ditador de um país chamado Coreia do Norte. Ao que se imagina, o principal problema de Kim Jong-un era o facto de a cara de Kim Jong-un ser extremamente parecida com o rabo de Kim Jong-un. Supõe-se que tenha sido essa circunstância a precipitar os trágicos acontecimentos de 2017, e que motivaram a inclusão, na Nova Constituição Mundial, do artigo 23º, que diz: "Nenhum indivíduo cuja cara pareça um rabo poderá alguma vez candidatar-se a cargos públicos" regra que deve, aliás, ser lida em articulação com o artigo 22º, que prevê a mesma inibição para candidatos com bigodinhos ridículos e/ou caras cor-de-laranja.

De acordo com jornais da época, descobertos no ano passado cem metros abaixo do solo numa casa situada numa localidade portuguesa chamada Marmeleira, a Coreia do Norte era um país subdesenvolvido que, ao contrário dos demais, não era visível do espaço, à noite, dada a escassa iluminação. O conflito iniciado por Kim Jong-un produziu, desse ponto de vista, uma uniformização bastante democrática, uma vez que, agora, nenhum país do mundo é visível do espaço, à noite. Com algum esforço, a humanidade consegue compreender as razões que levaram aos dois primeiros conflitos mundiais. Mas continua a não entender totalmente as intenções de Kim Jong-un nas vésperas do terceiro conflito global e, sobretudo, os motivos que o levaram a fazer eclodir uma inoportuna guerra mundial mesmo antes de o Benfica conseguir o Penta."

(Crónica publicada na VISÃO 1279, de 7 de setembro de 2017)