Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

O “Abominável Galamba” e José Sócrates

Ao contribuir, com as suas palavras, para a decisão de abandono de Sócrates, Galamba limitou-se a ser Galamba: um homem que conhece O Príncipe, de Maquiavel, de fio a pavio, mas que de lealdade e gratidão pouco ou nada parece entender

Vamos a datas?

14 de março de 2014: o deputado socialista João Galamba enviou uma SMS a José Sócrates, ex-primeiro-ministro, então a viver entre Lisboa e Paris: “Caríssimo, vou mesmo precisar da tua ajuda para aquela coisa pessoal de que te falei há uns tempos.” A resposta do amigo e camarada chegou 11 minutos depois: “Sim, podes contar.”

Outubro de 2014: estava Sócrates a alguns dias de ser detido para interrogatório no âmbito da Operação Marquês quando Galamba lhe reencaminhou uma SMS proveniente de uma pessoa “bem informada”. Dizia assim: “Fala com o JS [José Sócrates]. Há sururus de que vai ser feita qualquer coisa contra ele muito rapidamente, se souber algo mais aviso.” Sócrates, que nessa altura já sabia estar sob investigação judicial, quis detalhar, mas Galamba afirmou não saber exactamente o que estaria em causa. De uma coisa tinha a certeza: “Vai ter exposição mediática.”

É escusado perder demasiado tempo a explicar o que aconteceu depois desta troca de SMS. Sócrates, acusado de corrupção, fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais, caiu em desgraça. A cereja em cima do bolo foi hoje colocada, com o anúncio da sua saída do PS. O seu ex-amigo, por seu lado, goza de um improvável estado de graça, em grande parte alimentado por António Costa, que, provavelmente por achar piada ao “Abominável Galamba”, como o designou Vasco Pulido Valente numa crónica cortante no Observador, ofereceu-lhe o palco de que este precisava para, como um seu colega da política o definiu sob anonimato num perfil que a Sábado lhe dedicou, se comportar como “o puto fanfarrão do recreio”.

Voltemos às datas.

Na passada terça-feira, num frente-a-frente televisivo com o deputado social-democrata Duarte Marques, Galamba afirmou, com um ar de ligeira repugnância, estar “obviamente envergonhado” com o comportamento de José Sócrates – o mesmo José Sócrates, note-se, a quem, em 14 de março de 2014, pediu “aquela coisa pessoal” que ninguém sabe o que seria mas que seria muito interessante que João Galamba revelasse publicamente do que se tratava. O mesmo José Sócrates que lhe deu a mão para integrar as listas do partido às legislativas. O mesmo José Sócrates, por fim, com quem Galamba manteve numerosas conversas políticas (muitas das quais constam nos autos da Operação Marquês) e com quem cultivou enorme cumplicidade durante o tempo em que o agora renegado se encontrava em alta. Sensível a estas coisas das oscilações bolsistas, Galamba não hesitou em descartá-lo à canelada, agora que Sócrates é um activo tóxico.

Que seja António Costa a afirmar, justa ou injustamente (o tribunal decidirá), a sua repugnância em relação a Sócrates e a tudo a que o ex-PM tem sido ligado, até se percebe, nomeadamente em termos de estratégia política. Não há registo de escutas na Operação Marquês em que Costa peça o que quer que seja ao seu maior rival geracional no partido. Nada lhe deve. Galamba, pelo contrário, deve-lhe quase tudo – até favores “pessoais”, pelos vistos. Só isso devia inibi-lo de o destratar publicamente (o que é diferente de condenar de forma inequívoca as práticas de que o ex-PM é acusado).

Dir-se-á que o problema de Galamba é de educação. Na verdade é de ambição. Em Dezembro de 2017 o jovem turco socialista admitiu, em entrevista ao Expresso (sem se rir, segundo rezam as crónicas), ambicionar ser “secretário de Estado ou Ministro” num futuro Governo. Talvez resida nessa expectativa a explicação para que Galamba tenha achincalhado publicamente o agora ex-camarada, para gáudio evidente de António Costa. Ao contribuir, com as suas palavras, para a decisão de abandono de Sócrates, Galamba limitou-se a ser Galamba: um homem que conhece “O Príncipe”, de Maquiavel, de fio a pavio, mas que de lealdade e gratidão pouco ou nada parece entender.