Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

A presidente da Raríssimas devia emigrar. Já.

A Raríssimas, como a Abraço e tantas outras organizações de solidariedade social, merece que o Estado continue a apoiá-la financeiramente. A confirmarem-se as informações veiculadas pela TVI, Paula Brito e Costa merece punição exemplar. Mas as crianças não

Há cerca de 20 anos assinei, no agora defunto Euronotícias, uma série de reportagens sobre a forma como Margarida Martins, uma antiga porteira de discoteca mais conhecida pelo seu perímetro abdominal do que pelos seus méritos enquanto gestora, teria acumulado património durante os anos largos em que presidiu à Associação Abraço.

Segundo as minhas fontes, que eram na sua maioria colaboradores e ex-colaboradores da organização de combate à Sida, a actual presidente da Junta de Freguesia de Arroios fazia uma gestão, vá lá, criativa, dos dinheiros da associação. Falavam de casas que Margarida alegadamente acumulava em falsa propriedade, em obras de arte doadas à associação por artistas solidários que, por motivos indecifráveis se encontrariam expostas na sua residência e noutras acrobacias do género.

Recordo-me que na altura me encontrei pessoalmente com Margarida Martins na sede da Abraço para lhe dar a oportunidade de tudo rebater. A conversa, vamos chamar-lhe assim, terminou com Margarida, devidamente acompanhada de um fiel escudeiro, a convidar-me abruptamente a abandonar o local. O caso atingiu grande repercussão, Margarida Martins colocou-me o processo da ordem e, com a cumplicidade activa de jornalistas amigos a quem em tempos abrira generosamente a quase impenetrável porta do Frágil, conseguiu convencer um juiz a condenar-me por difamação.

Lembrei-me deste episódio quando ontem vi a imagem da jornalista Ana Leal na sede da Raríssimas a tentar confrontar Paula Brito e Costa, a sua excêntrica presidente, com as acusações gravíssimas de que é alvo. Do outro lado da mesa, em vez de esclarecimentos cabais, encontrou silêncio e arrogância: o silêncio da visada, impotente para negar o que é aparentemente óbvio, e a arrogância de um assessor de imprensa que, talvez por estar mal habituado, não tem a noção de que ainda há jornalistas a quem não se deve pedir perguntas em avanço, sob pena de destruir à partida uma relação que é tensa por natureza.

O que aconteceu a seguir ao diálogo é conhecido de todos: Ana Leal montou laboriosamente as peças do puzzle e concebeu uma reportagem exemplar a todos os níveis: na qualidade da informação, no rigor com que a apresentou e na seriedade com que tentou dar voz à visada. Num mundo bem oxigenado, Paula Brito e Costa encher-se-ia de vergonha, demitia-se e emigraria para o pico do K2. Estaria mais escondida e, apesar dos mais de 8000 metros de altitude, talvez não tivesse especiais dificuldades em respirar. Mas depois do que se viu na TVI não é claro que isso suceda.

O que, com os seus actos, Paula Brito e Costa fez ao universo da solidariedade social – que inevitavelmente sofrerá danos financeiros e reputacionais - não é digno de perdão. Todos os dias são feitos milagres em pequenas associações, muitas vezes protagonizados por equipas de voluntários que, a troco de nada, tudo dão para tornar o mundo num lugar um pouco mais respirável. É por estas pessoas e pelos que diariamente beneficiam da sua generosidade que é perigoso confundir o trabalho público das entidades com os vícios privados dos seus dirigentes. A Raríssimas, como a Abraço e tantas outras organizações de solidariedade social, merece que o Estado continue a apoiá-la financeiramente. O pior que pode acontecer neste caso é que, por causa da indignação militante que o caso está a gerar nas redes sociais, o Governo ceda ao populismo fácil, fazendo pagar os doentes juntamente com os prevaricadores. A confirmarem-se as informações veiculadas pela TVI, Paula Brito e Costa merece punição exemplar. Mas as crianças não.