Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

João Gago da Câmara

João Gago da Câmara

Jornalista e Escritor

Um drama açoriano chamado André Bradford

Paralelo 38

João Gago da Câmara

D.R.

André Bradford, independentemente da força partidária onde milita e é quadro importante, vem sendo pessoalmente nos Açores uma força da natureza

Aproveitem cada minuto, escreveu Dulce, mulher de André Bradford, na sua página do Facebook. E que bem dito!... E que que presença de espírito para quem tanto sofre! A vida, com efeito, deverá ser vivida ao minuto, Dulce. Melhor ainda, ao segundo.

Não sei o que se passará nos próximos dias no Hospital do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada. Que desenvolvimento terá a recuperação do André. Sei apenas que presentemente o André continua entre a vida e a morte. Colapsou, e ainda nem cinquenta anos tem, de uma forte arritmia cardíaca, seguida de paragem cardiorrespiratória e está em coma induzido. Não é justo, de todo.

O André Bradford é um político do PS, mas, até para os seus opositores mais contundentes, é, acima de tudo, um homem – tem-no demonstrado – com h grande. E isso é o que mais importa neste que é, cada vez mais, um mundo cão.

Como abraçador cedo da política, tornou-se um exemplo a ter em conta, espelhando, com inteligência e elevação, o sucesso da renovação na política, sempre saudável em democracia. Os mais velhos deverão dar lugar aos mais novos.

André Bradford, independentemente da força partidária onde milita e é quadro importante, vem sendo pessoalmente nos Açores uma força da natureza. Percorreu os Açores de lés-a-lés, tocou, com acuidade, indiferenciadamente, todas as áreas regionais – económica, social e cultural – ouvindo o povo, do lugar à freguesia, da vila à cidade. Olhou os açorianos nos olhos em manifestações de rara convicção e sensibilidade, familiarizou-se rapidamente com a família açoriana e foi, rápida e responsavelmente, adotado em cada casa das nove ilhas, sendo hoje um promissor deputado eleito pelos Açores no Parlamento Europeu.

Bradford, tão depressa tomou assento no grande anfiteatro das decisões, logo evidenciou um propósito sério de, a par e passo, passar ao pormenor toda a informação ligada ao seu desempenho no grande fórum, pretendendo-se, assim, escrutinado diariamente pelos açorianos que nele votaram, ou não. Manifestamente, uma forma séria de estar na política, que rareia nos dias de hoje.

Desde a primeira hora que estas eleições para o Parlamento Europeu vêm sendo para os Açores um verdadeiro descalabro. Não acredito em maus-olhados, mas, sinceramente, até parece existirem. Primeiro, a rasteira de Rio, empurrando para o oitavo lugar um digno candidato a deputado europeu pelo PSD Açores, o Dr. João Bosco Mota Amaral, uma figura de Estado, ex-Presidente da Assembleia da República e de vários governos regionais dos Açores; agora, este triste momento que atinge a saúde do promissor representante socialista dos Açores, presentemente o único da Região Autónoma, no mais elevado teatro das decisões, o popular André Bradford.

Neste momento em que, inevitavelmente, faltam as palavras, resta-me terminar a dizer-te, com todo o vigor: força, André! Todos sabemos que a caminhada não será fácil, mas estamos contigo nesta difícil e injusta luta pela vida que sempre tanto gostaste de viver. Tens ainda muito para dar e os Açores precisam de ti.

João Gago da Câmara

João Gago da Câmara

Jornalista e Escritor

João Gago da Câmara, natural da ilha de São Miguel, nos Açores, nascido em 1956, exerceu a profissão de jornalista/locutor na RTP Açores e redator/repórter no jornal Correio dos Açores. Fundou ainda o seu próprio jornal, o Correio do Norte. Publicou dois livros, o primeiro de crónicas lançadas na imprensa escrita, “Fragmentos entre dois Continentes”, o segundo em forma de reportagem realizada em Santa Catarina abordando a emigração açoriana para o sul do Brasil, que intitulou de “Dos Vulcões ao Desterro”. O jornalista e escritor, hoje aposentado, colaborou com as rádios Clube de Angra, Nova Cidade, Pico, Graciosa, Asas do Atlântico, Voz do Emigrante e ainda na imprensa escrita com crónicas semanais no Diário dos Açores e no Diário Insular, no arquipélago açoriano; no Portuguese Times e no Portuguese Tribune, nos Estados Unidos da América e ainda no Milenio Stadium e no Voz de Portugal, no Canadá.