Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Nós e os russos

Horizontes

A geografia deve ser um fator de aproximação e nunca uma razão para rivalidades em que todos perdem

Victor Ângelo

Estamos nas vésperas das comemorações do fim da Segunda Guerra Mundial. Decorridos 70 anos, há quem pense que cheira de novo a pólvora no continente europeu. ?E não apenas por causa da violência na Ucrânia, mas sobretudo à vista do desassossego político e militar que se criou entre o nosso lado da Europa e a Rússia. Perante isso, e porque as tensões são a sério, considero importante reafirmar que a nossa Europa não quer um confronto com a Rússia. Não precisamos nem de mais inimigos nem de novas ameaças à nossa estabilidade e segurança. Mas há mais. Devemos ser claros e pôr o acento na indispensabilidade da paz e da cooperação entre as duas grandes metades do nosso continente. ?A geografia deve ser ?um fator de aproximação ?e nunca uma razão ?para rivalidades em que ?todos perdem.

Este é também o momento de repetir que não vemos a OTAN como uma ponta de lança dirigida contra os interesses vitais da Rússia. A OTAN é tão-somente um instrumento de afirmação da nossa soberania coletiva, indispensável para desencorajar qualquer hipótese de aventura armada contra o espaço geopolítico em que nos integramos. Infelizmente não se pode acreditar na fantasia de que a época das ameaças bélicas vindas de fora já passou à história. ?A realidade do dia a dia demonstra o contrário. Convém esclarecer que não se vislumbra no horizonte a possibilidade da adesão da Ucrânia à OTAN. A estratégia de segurança nacional, que a Ucrânia divulgou, define a integração na Aliança Atlântica como um objetivo primordial. Mas nestas casas não entra quem quer e isso deve ser dito com as palavras adequadas.

No caso da UE, é tempo do discurso público voltar a reconhecer as várias áreas de interesse comum com a Rússia. Esses interesses passam pelo comércio e os investimentos mútuos, pela segurança energética e a proteção do meio ambiente, a luta contra o narcotráfico, a instabilidade na Ásia Central e o terrorismo, as negociações sobre o programa nuclear do Irão, bem como pela cooperação na exploração do espaço. É por essas vias que se constroem os alicerces da paz.

A diplomacia existe para resolver os antagonismos. Assim, acho um erro não se ter aceite o convite de Putine para participar nas comemorações de 9 de maio, que vão marcar em Moscovo o 70.º aniversário da vitória contra o nazismo. Trata--se de um momento de extraordinário significado, na narrativa patriótica russa. Os estados europeus que contam na relação com a Rússia dariam um sinal diferente se tivessem decidido enviar representantes, não ao mais alto nível, mas sim uns políticos de segunda linha. É para isso que servem os vice--qualquer-coisa ou os líderes das assembleias de deputados. O sinal seria ambíguo mas forte: queremos manter o diálogo, mas não estamos nada satisfeitos com a linha política atual do Kremlin. É esta a mensagem que Merkel transmite, ao ir depositar uma coroa de flores em Moscovo, no dia seguinte ao das comemorações. Uma vez mais, Merkel marca pontos, quando comparada com os seus pares da UE.