Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

  • O meu filho mais novo

    Tudo se passou sem grandes discussões e nem lhe perguntei se havia outra mulher. Para quê? Claro que havia. Nenhum homem se vai embora no caso de não existir outra mulher, não são capazes de ficar sozinhos, têm um medo horrível da solidão, não se imaginam, por exemplo, com febre, sem uma mulher para tomar conta deles

  • Coisas de que me lembro

    E o meu outro avô, o homem que eu menos queria desiludir na vida pelo amor que lhe tinha e continuo a ter, que me chamou para me perguntar (alguém lhe disse que eu passava o tempo a escrever) para me perguntar, preocupadíssimo, se eu por acaso não era paneleiro

  • A separação

    O homem ouviu-lhe os passos que se afastavam na direção do corredor, da entrada, ouviu a porta abrir-se e fechar-se, não ouviu mais nada depois, nem sequer o som dos cabos do elevador. Pensou em ir espreitar à janela mas não quis saber se havia alguém lá em baixo a esperá-la.

  • Mãe

    A pouco e pouco fui admitindo o seu amor pelos filhos enquanto ela se queixava da sua lenta cegueira que a impedia de ler. Quantos homens se podem gabar da sua mãe gostar de Proust? E de Céline? E dos grandes russos? E dos meus, que lamentava – Porquê livros tão desesperados se a tua vida é boa?

  • Carta

    O Zé foi muito importante nisto com a sua amizade e a sua fé em mim, é impossível agradecer o que te devo, os teus telefonemas diários, a tua certeza no que achavas que eu era capaz, a tua total ausência de inveja, a tua camaradagem absoluta, depois morreste, meu cabrão, e deixaste-me sozinho

  • Carnaval

    João de Deus costumava mostrar aos seus conterrâneos de São Bartolomeu de Messines os dois edifícios principais de Lisboa. Dizia do primeiro: – Isto é o teatro Dona Maria onde se representam as tragédias e do segundo – E este é o teatro de São Bento onde se representam as comédias e ficava Lisboa toda vista

  • Crónica escrita pelo menino que continuo a ser

    O tio Eloy, que aos domingos à tarde jogava às cartas com as cunhadas e, se lhe calhava um jogo mau na mão, repetia sempre a mesma frase: – Há muitos anos que sou beleguim e jamais vi uma coisa assim. Era um advogado importante, vestia-se como um príncipe e nós não concebíamos a família sem ele. A sua influência nos meus irmãos e em mim foi tão grande que o João se tornou do Sporting

  • Adeus

    Tenho tanta vaidade em ser vosso colega, vosso colega não, daqui em diante sou apenas o senhor António Lobo Antunes, todo coberto de condecorações, prémios, honrarias, e de que serve isso, ao passo que vocês são Médicos. E tenho de curvar-me, com humilde respeito, diante da vossa profissão. Um escritor não cura ninguém salvo, talvez, a si mesmo

  • O Natal

    Ao morrer a mulher foi-se embora mas os óculos continuaram na mesa de cabeceira, na sua armação quase de tartaruga, do mesmo modo que possuíam um faqueiro quase de prata e um serviço quase de porcelana, embora usassem talheres e pratos de loiça normal, a fim de poupar as preciosidades