Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

  • O Natal

    Ao morrer a mulher foi-se embora mas os óculos continuaram na mesa de cabeceira, na sua armação quase de tartaruga, do mesmo modo que possuíam um faqueiro quase de prata e um serviço quase de porcelana, embora usassem talheres e pratos de loiça normal, a fim de poupar as preciosidades

  • Tratado das paixões da alma

    Pode crer, ficaria bem, talvez, por exemplo, o médico gostasse, talvez a senhora, dona Fernanda, se sentisse menos só em casa, iluminada pelas pétalas fosforescentes, se sentisse mais nova, se sentisse mais bonita, talvez que na pastelaria do quarteirão a seguir, onde bebe o seu chazinho à tarde no meio de solitários macambúzios, um sujeito bem apessoado, ou pelo menos razoavelmente apessoado, a mirasse rente ao cálice com um líquido branco num interesse discreto

  • O Sandokan

    Uma velha de vinte e tal ou assim, que nos compreendia as urgências sem fazer queixinhas à minha mãe. Obrigado, Isabel, por compreenderes as minhas urgências dos nove anos, que eu não compreendia e que acabavam com uma caneca de leite e um pão com manteiga

  • A Monarquia

    Lembro-me de, no Natal, receber as Boas Festas do pretendente à Coroa que traziam sempre duas fotografias: a do casal real, um senhor de bigode, igual a todos os senhores de bigode que lhe enxameavam a casa no Natal e Ano Novo, e uma senhora no género das minhas tias. O meu avô, que tinha algum sentido crítico, chamava-lhes os Pneus Mabor, marca muito comum na altura, porque a única coisa que possuíam de bom era o ar

  • E, no entanto, vendo

    O Zé Cardoso Pires repetia sem cessar: é preciso que a gente sofra para o leitor ter prazer, e isto é tão dolorosamente verdadeiro. É preciso que a gente sofra para o leitor ter prazer, irmãozinho, que me deixaste tão órfão da tua amizade. Esta crónica parece quase as conversas que a gente tinha, assim aparentemente descosidas, ao acaso. Que a gente sofra, que a gente sofra, que a gente sofra

  • Aulas práticas de Anatomia

    As luzes apagavam-se, a Imitação da Vida ou as Violetas Imperiais começavam e, com os filmes, um joelho encostava-se ao nosso e desaparecia a seguir, voltava passados minutos e ficava mais tempo, voltava de novo e não se afastava mais. Ao fim de um quarto de hora tínhamos uma mão na coxa, primeiro ao de leve, depois afagando-nos num carinho que ia aumentando e ao qual éramos sensíveis

  • O Avô Dois

    Ele deixava o automóvel numa garagem ao pé de casa e, a certa altura, um dos meus tios descobriu que um sujeito qualquer, que trabalhava na dita garagem, passeava à noite, com a namorada, no seu carro. Comunicou-se o pecado ao Avô Dois que, em lugar de zangar-se, passou a atestar o depósito com medo que o ladrão ficasse sem gasolina