Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

A origem do molete

Reymont servia no seu restaurante um tipo de pão que ele próprio fabricava e que, por ser muito fresco e mole, ele designava por “pão mollet“

Antigamente, a atual avenida de Rodrigues de Freitas chamava-se rua do Reimão. Esta designação andava ligada ao nome de uma enorme quinta que tinha o nome do seu proprietário - um tal Gonçalo Reimão. Antes da rua havia um caminho que, “passada a gafaria dos Lázaros, ia para Campanhã“. Era limitado, então, esse caminho, pelo vasto campo de Mijavelhas, a poente; e pela quinta do Prado do Repouso, a nascente, ou seja, limitado, na atualidade, pelo campo de 24 de Agosto e pelo cemitério do Prado do Repouso. Isto é o que nos dizem os documentos.

A lenda contra outra versão. Diz que o designativo Reimão teve origem no nome de um soldado francês, chamado Reymont, que por cá terá ficado depois das invasões francesas. Que o francês ficou por aí, não restam dúvidas. Difícil é aceitar que tenha sido ele a dar o nome ao sítio. Sabe-se isso, sim, que o tal Reymont, por meados do século XIX, fundou, na referida artéria, um restaurante que tomou o nome da rua (Reimão) e que ficou célebre por causa da excelente qualidade da comida que lá se servia e pela seleta clientela que o frequentava, nomeadamente brasileiros de torna viagem, comerciantes de sucesso, jornalistas e escritores. Camilo Castelo Branco, por exemplo, era um dos mais assíduos e, a fazer fé nas crónicas do tempo, o seu prato preferido era o da “ pescada cozida acompanhada das competentes azeitonas e salada da alface, tudo regado com espumante verdasco de Amarante…”

Voltamos outra vez à lenda. Diz ela que o tal Reymont servia no seu restaurante um tipo de pão que ele próprio fabricava e que, por ser muito fresco e mole, ele designava por “pão mollet“ de onde derivou o nome de molete ainda hoje dado não apenas no Porto mas um todo o norte do país ao pequeno pão a que em Lisboa chamam o papo-seco.