Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Rui Tavares Guedes

Rui Tavares Guedes

Diretor Executivo

A caixa negra da democracia

Editorial

Rui Tavares Guedes

Luis Barra

O populismo só ganha terreno quando os cidadãos deixam de acreditar na democracia – por culpa de quem não soube defendê-la

Podemos (e devemos!) acusar as fake news, os argumentos falsos e os discursos incendiários, espalhados nas redes sociais para fazer aumentar a raiva e destilar o ódio, como responsáveis pelo crescimento da intolerância, do populismo – e, como consequência, pelo enfraquecimento, cada vez mais acelerado, da democracia e dos valores humanistas que pensávamos já estar enraizados e consolidados nas sociedades modernas. Mas não chega. Se queremos, mesmo, proteger a democracia e continuar a pugnar pela liberdade, pela igualdade de oportunidades para todos os cidadãos e por uma sociedade mais justa, precisamos de olhar para muito mais fundo, para a verdadeira origem do problema, para aquilo que, na verdade, faz acionar as armas com que os discursos radicais e populistas tentam depois impor os seus “salvadores da pátria”, com discursos autoritários e soluções milagrosas, com as consequências desastrosas que a História nos recorda.

A origem principal do populismo, o seu campo de sementeira, está na impunidade com que, ao longo dos tempos, se vão mantendo situações gravosas, algumas mesmo criminosas, para a sociedade e, no fundo, para a nossa confiança nas instituições que deviam ser o cimento de união do Estado e da nação. O populismo só ganha terreno quando os cidadãos deixam de acreditar na democracia – por culpa de quem não soube defendê-la, protegê-la e mantê-la ao nível das expectativas que todos tinham sobre ela.

O que se soube, na última semana, sobre a governação da Caixa Geral de Depósitos, ao longo de anos e anos, com sucessivos gestores a delapidarem o património do banco, com empréstimos sem avaliação de risco ou qualquer garantia plausível, é um daqueles casos que, só por si, minam a confiança das pessoas na democracia. Por uma razão óbvia: porque, ao longo de décadas, todos suspeitaram de que as coisas se passavam exatamente assim, numa aliança de interesses entre os partidos que iam dividindo o poder – e com os gestores, todos os anos, a receberem prémios de desempenho e “votos de confiança”, mesmo quando os números eram cada vez piores e catastróficos. Em todo o “arco do poder” ninguém pode dizer que não sabia o que se passava. O relatório preliminar da EY à auditoria da Caixa apenas veio pôr nomes e revelar, com maior riqueza de pormenor, aquilo de que, no mínimo, já se desconfiava: que a Caixa foi sendo usada, sugada, para a defesa de interesses próprios, através de uma lógica de encobrimento em que todos se protegiam uns aos outros. Exatamente o contrário dos valores que, repito, devem ser subjacentes a uma democracia.

Já sabemos que, ao longo dos próximos tempos, este assunto vai ser motivo de confronto entre partidos e um dos temas das campanhas eleitorais que se avizinham. Mas não é a gritaria que vai remediar a descrença na democracia, a falta de confiança nas instituições e no sistema parlamentar. Assim como também as muitas comissões de inquérito criadas em São Bento nunca conseguiram restituir a confiança na Justiça ou dar a garantia de que, no futuro, algo possa funcionar de modo diferente, aprendendo com os erros cometidos.

É por isso que o risco maior desta história da Caixa é o de a atual indignação se transformar, passadas poucas semanas ou meses, em algo normal e corriqueiro – que já nem merece uma indignação séria e consequente. Em apenas mais um capítulo de uma história triste, onde estão o BES, o BPN, uma série de outros negócios estranhos e privatizações nebulosas. Mais uma acha na fogueira de desilusão com o sistema e de perda de confiança nas instituições – mas também a nossa caixa negra, de memória futura, para irmos perceber onde tudo começou, em caso de desastre.

(Editorial publicado na VISÃO 1352 de 31 de janeiro de 2019)

Rui Tavares Guedes

Rui Tavares Guedes

Diretor Executivo