Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Transparente como um rio

Seca em Viseu

Nuno Botelho

Se a seca se agravar, as consequências serão as mesmas dos dois lados da fronteira: trágicas

Temos a memória curta em relação ao clima. E, ainda por cima, uma memória seletiva, afiança o cientista suíço Christian Pfister, que tem dedicado grande parte da vida a estudar os fenómenos extremos do planeta, numa perspetiva histórica, tentando procurar no passado os acontecimentos e ocorrências que, de alguma forma, possam ter relação com o presente. Segundo este professor emérito da Universidade de Berna, todos nós, na Europa, temos muito mais tendência para recordar os períodos frios e gelados do que os quentes e de grandes secas, apesar de ambos terem marcado, muitas vezes de forma trágica, a história coletiva do nosso continente.

Mas partilhamos todos ainda, segundo o mesmo especialista, uma característica que acaba por reforçar essa memória curta: “Somos preguiçosos por natureza, e só nos preocupamos em agir após as catástrofes”.

Os últimos meses têm sido pródigos a confirmar as palavras do cientista, impressas no diário suíço Le Temps. Este 2017 que está quase a terminar tem sido marcado por uma série de fenómenos climáticos extremos e com uma frequência assustadora. Num ano em que a temperatura bate recordes em todo o planeta, assistimos a incêndios monstruosos (com um número inédito de vítimas) em Portugal e na Califórnia, uma sucessão inédita de furacões no Atlântico Norte, inundações mortíferas no Sudeste Asiático, agravamento das condições de seca numa série de regiões.

E, quase sempre, só depois das catástrofes ocorrerem é que acordamos para tentar compreender a verdadeira dimensão do problema. Raramente olhamos para trás para procurar aprender com os erros ou com as ocorrências do passado. Nomeadamente, um fenómeno quase desconhecido pelas gerações atuais, como o da Grande Seca de 1540, que transformou grande parte da Europa num quase deserto, abrindo caminho para o alastramento da disenteria, doença que terá vitimado centenas de milhares de vítimas.

Não podemos pensar que a chuva dos últimos dias resolveu o problema de seca em que Portugal se encontra, há vários meses. É verdade que ainda não estamos em situação catastrófica, mas chegámos já, isso sim, ao ponto em que precisamos de fazer soar todos os alarmes. E devemos fazê-lo, numa colaboração firme, dentro do espaço geográfico que habitamos: a Península Ibérica.

Se olharmos para a história comum do território atualmente dividido entre Portugal e Espanha encontramos muitas provas de que a seca já foi, por diversas vezes, um problema ao longo dos séculos. E sabemos também o que os cientistas preveem para as próximas décadas, caso se confirmem as previsões mais catastróficas do aquecimento global e o mundo, no seu todo, nada faça para estancar a subida das temperaturas médias do planeta: um avanço imparável do deserto do Norte de África para grande parte da Península Ibérica. E se a seca se agravar, as consequências serão as mesmas dos dois lados da fronteira, entre Portugal e Espanha: trágicas.

É importante, por isso, que os dois países trabalhem em conjunto, já que partilham os maiores rios do território. Mas é preciso aumentar os níveis de transparência na gestão dessa água, que devia servir para todos. E embora a situação seja mais preocupante do outro lado da fronteira, não se pode admitir que Espanha - como se soube esta semana - não cumpra as obrigações de caudais mínimos a que se encontra obrigada. Em especial, se o faz às escondidas.

Os problemas originados pelas mudanças climáticas, como temos visto, devem ser olhados num plano internacional de cooperação. A gestão da água do Douro, Tejo e Guadiana é da máxima importância para os dois países, independentemente dos governos que estiverem em Lisboa e Madrid. Este é um daqueles casos em que é preciso, mesmo, agir antes da catástrofe.