Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Vossa Excelência cale-se!

No dia da inauguração do novo edifício de Matemáticas, os estudantes juntam-se no exterior da Faculdade de Ciências com cartazes sobre o estado do ensino. Lá dentro, Alberto Martins levanta-se, perante o Presidente da República, e pede para usar da palavra

Arquivo Expresso

Bastou Alberto Martins pedir a palavra, numa cerimónia da Universidade de Coimbra, para começar uma demorada crise académica, que até se manifestou no final da Taça de Portugal. O Benfica ganhou...

"Em representação dos estudantes da Universidade de Coimbra, peço licença a Vossa Excelênicia..."

Com esta frase, Alberto Martins, então presidente da Direção Geral da Associação Académica, dava início à crise académica de Coimbra. Era 17 de abril de 1969. Na sala infante D. Henrique, Américo Thomaz, Rui Sanches e José Hermano Saraiva (Presidente da República e ministros das Obras Públicas e da Educação, respetivamente), presidiam à inauguração do novo "edifício das Matemáticas" da Universidade de Coimbra.

Tinha sido decidido, entre os estudantes, que Alberto Martins romperia a tradição e pediria a palavra. Teria, no entanto, de medir o pulso à situação. Só poderia falar se houvesse condições para isso e se o seu ato não fosse considerado "provocatório".

É bom recordar que hoje se estimula a pergunta, a discussão, o debate na comunidade ou de toda a sociedade civil. Mas naquela altura, o direito à palavra só assistia às autoridades. Nenhum estudante (no caso da inauguração do novo edifício de Matemáticas da Universidade de Coimbra) podia exercer essa faculdade.

A sala estava cheia e o ânimo de Alberto Martins foi crescendo até que se levantou-se para pedir a palavra. Tinha o que dizer às autoridades. Queria solicitar a reincorporação de professores na universidade, falar das discordâncias dos estudantes em relação ao conteúdo e aos métodos de ensino e tudo o que mais lhe fosse permitido. Queria, começando pelo mundo académico, falar de uma sociedade nova. A palavra não lhe foi concedida. Os estudantes protestaram. "Em coro, bradavam protestos e expressões incompatíveis com o respeito devido à presença, naquele lugar, do supremo magistrado da Nação", diria, dias depois, José Hermano Saraiva na televisão. Perante o "grave desrespeito", Américo Thomaz e José Hermano Saraiva saíram da sala.

E assim, em vez de falar, Alberto Martins foi preso (muitas horas depois), como muitos outros. Foi decretada a greve às aulas. Em maio, o ministro encerrou a universidade. As fileiras de estudantes, a que se juntaram professores, foi aumentando. Em junho, a greve às aulas estendeu-se à greve aos exames. Coimbra foi invadida pela GNR.

No final desse mês, a Académica chegava ao final da taça e, com ela, a luta estudantil. Era 22 de junho e, dois meses passados sobre o pedido de palavra de Alberto Martins, a luta não esmorecera – antes pelo contrário. Num estádio repleto, jogava-se o Benfica-Académica. Os jogadores da "cidade dos estudantes" entraram no campo a passo, com batinas pelos ombros, o emblema do clube tapado. Na assistência, pendões reclamavam uma "Universidade Livre". "Foi o maior comício que existiu em Portugal antes do 25 de Abril", diria à SIC Alberto Martins, 40 anos depois.

A Académica perdeu, mas a luta manteve-se... até ao 25 de abril.

Alberto Martins acabou entretanto o curso de Direito. Foi várias vezes deputado (ainda o é) e duas vezes ministro. Em 1999, recebeu a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade. Quanto à sala onde tudo começou, mantém a memória daquele dia, chamando-se... Sala 17 de Abril. Foi há 47 anos.