Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Sandra Duarte Tavares

Sandra Duarte Tavares

LINGUÍSTICA PORTUGUESA

7 pecados gramaticais

Isabel Pavia/ Getty Images

A especalista Sandra Duarte Tavares partilha 7 pecados gramaticais que, do seu ponto de vista, podem arruinar a imagem das pessoas e fazerem-nas perder, em poucos segundos, a sua reputação e credibilidade

Sempre que cometemos um erro ortográfico ou gramatical, seja em contexto familiar, social ou profissional, podemos ser alvo de troça ou discriminação por quem nos rodeia. Agora, imagine um “póssamos” ou um “a gente vamos” ditos ao microfone e diante de uma audiência ávida por partilhar com o mundo as “calinadas” do orador. Por muito conhecedor que ele seja do tema, é imediatamente considerado pelo público como menos competente.

Quem nunca deu um pontapé na gramática que atire a primeira pedra, mas em certos contextos de comunicação, devemos efetivamente ter uma atenção redobrada. Numa apresentação em público, por exemplo, uma incorreção gramatical ou um verbo mal conjugado assumem uma projeção exponencial. É indiscutível que fazer um bom ou mau uso da língua transmite uma imagem sobre nós, que pode ser positiva ou negativa. Que imagem pretende projetar?

Partilho consigo 7 pecados gramaticais que, do meu ponto de vista, podem arruinar a nossa imagem e fazer-nos perder, em poucos segundos, a nossa reputação e credibilidade.

1. Este curso vai DE ENCONTRO ÀS minhas expectativas

Forma correta: vai AO ENCONTRO DAS minhas expectativas

de encontro a: contra

ao encontro de: na direção de, de acordo com

2. VÃO HAVER feriados

Forma correta: VAI HAVER feriados

Sempre que é verbo principal, o verbo haver só se conjuga na 3.ª pessoa do singular, porque é um verbo impessoal (há, houve, havia, haverá, haveria, haja...). A regra aplica-se também aos verbos auxiliares que o acompanham: não flexionam no plural.

3. Ele INTERVIU na reunião.

Forma correta: Ele INTERVEIO na reunião.

O verbo intervir conjuga-se como o verbo que está na sua base – o verbo vir: ele veio; ele interveio.

4. Obrigado por TERES ACEITE o convite

Forma correta: TERES ACEITADO

O particípio passado regular – aceitado – deve ser usado com o verbo auxiliar TER. O particípio passado irregular – aceite – deve ser usado com o verbo auxiliar SER: ter aceitado / ser aceite.

5. As pessoas FORAM EVACUADAS

Forma correta: FORAM RETIRADAS

O verbo evacuar, enquanto transitivo, significa “desocupar um determinado espaço; esvaziar.” Assim, evacuam-se lugares e não pessoas.

6. ESTAMOS MELHOR PREPARADOS

Forma correta: MAIS BEM PREPARADOS

O advérbio bem tem duas formas para os seus graus comparativo e superlativo: uma regular: mais bem; outra, irregular: melhor.

Sempre que modifica um verbo, usa-se a forma irregular melhor: Dormi bem hoje, mas ontem dormi melhor. Sempre que modifica um adjetivo, usa-se a forma regular analítica mais bem: Hoje em dia estamos mais bem informados.

7. ONDE FOSTE ontem à noite?

Forma correta: AONDE FOSTE?

aonde: a que lugar. Usa-se com verbos que exigem a preposição a.

Exemplo: Aonde foste ontem?

onde: em que lugar

Exemplo: Onde estiveste ontem?

O que podemos fazer para eliminar de vez estes e outros erros que mancham a nossa imagem? Devemos ler muito (e bem!) para que sejamos expostos à palavra bem escrita. Tal como a leitura, a consulta de dicionários, prontuários e gramáticas é também uma prática que deve ser regular no nosso dia a dia, sempre que tivermos alguma dúvida na grafia e significado de uma palavra, na conjugação de algum verbo, etc.

Assim, se pretendemos projetar uma imagem pessoal e profissional credível, a nossa comunicação deve ser clara, relevante e, sobretudo, deve ter um elevado padrão de excelência linguística.

Assine por um ano a VISÃO, VISÃO Júnior, JL, Exame ou Exame Informática e oferecemos-lhe 6 meses grátis, na versão impressa e/ou digital. Saiba mais aqui.

Sandra Duarte Tavares

Sandra Duarte Tavares

LINGUÍSTICA PORTUGUESA

Sandra Duarte Tavares é mestre em Linguística Portuguesa pela Faculdade de Letras de Lisboa e professora no Instituto Superior de Comunicação Empresarial (ISCEM). É colaboradora da RTP em programas televisivos e radiofónicos sobre Língua Portuguesa e autora de 10 livros técnicos sobre Língua Portuguesa e Comunicação. Conta ainda com 10 anos de experiência como consultora linguística e formadora de Comunicação para Executivos, nas áreas de Effective Communication, Business Writing e Public Speaking.