Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Refirme, Não se Reforme!

Getty Images

Um dia quererá reformar-se? Talvez! Mas será esse o “fim de um livro” que tem vindo a escrever ou, tão somente, o início de mais um capítulo?

Quando muito se fala da reforma antecipada será também importante não esquecer o que está para além dessa reforma, ou seja, o que irá fazer com tanto tempo livre. Mais importante será ainda olhar para aqueles que, verdadeiramente, gostam do que fazem, que se reinventam, e que não pretendem deixar de trabalhar, tão simplesmente porque gostam, porque isso os preenche, e porque o fazem com um objectivo, com o tal propósito que hoje todos procuram.

Com alguns movimentos que explicam e incentivam como poupar para se reformar aos 40 ou 50 anos porque é que muitos são aqueles (se não mesmo a maioria) que estão bem financeiramente mas preferem continuar a trabalhar? Porque estas pessoas, nesta fase, já não estão a trabalhar pelo dinheiro mas sim pela sua definição de sucesso ou de propósito! É verdade que para se conseguir chegar a um estado de independência financeira é importante percorrer um caminho que nem sempre lhe permitirá poder usufruir de muitos dos “prazeres” imediatos que a nossa sociedade consumista lhe “oferece”. Mas, se for ponderado, se tiver consciência financeira e planear qual o valor que necessita poupar para ter a tal independência financeira, poderá evoluir para esse estado de liberdade em que pode decidir o que vai fazer sem o fazer sobretudo por questões financeiras.

Refirmar e não reformar

Porque se reformam? Os motivos são vários: estão cansados; demasiado stress; não conseguem encontrar um novo emprego; foram despedidos e pensam que já é tempo de parar; venderam um negócio; têm mais de 50 anos; é o que outros esperam que façam. Mas se mudar o ponto de vista o que poderá acontecer? Para mudar o ângulo de análise devemos contextualizar o que já se passa e que tem tendência para crescer nos próximos tempos:

- Viver mais tempo

- Viver mais tempo com qualidade de vida

- Resiliência – não desista

- Continuar a viver o resto da vida com um objectivo e significado

- Continuar a viver criando impacto nos outros e na sociedade

São vários os indícios que confirmam que continuar a trabalhar pode ajudar a mantê-lo mais saudável, para além de o manter activo. Claro que o ritmo poderá baixar, até para se poder fazer o que se quer ao ritmo que se pode e que é mais adequado. E são muitos aqueles que hoje continuam a trabalhar depois da idade da reforma. Nos Estados Unidos da América, e de acordo com o departamento de estatísticas de emprego, cerca de 20% dos americanos com mais de 65 anos trabalham. Não é discriminado se voluntariamente ou por necessidade, mas não deixa de ser uma percentagem significativa.

A questão social é premente, pois aqueles que se reformam aos 55, 60 anos ainda têm, certamente, muitos anos pela frente. O que vão fazer nos próximos 20/30/40 anos irá defini-los e poderá ser uma fonte de inspiração para filhos, família, amigos, sociedade em geral.

Há um livro exactamente sobre este tema: “Refire! Don’t Retire. Make the rest of your life the best of your life.” – Ken Blanchard (Refirme, não se Reforme. Faça do resto da sua vida o melhor da sua vida). O conceito de Refire também está a ser usado como um acrónimo por autores internacionais: Reason (escolher o propósito); Engage (relacionar-se com o que irá fazer); Feel (ter prazer no que faz); Imagine (imagine e ensaie o que irá sentir ao fazer o que pretende); Repeat (a prática leva à perfeição); Ego (como se está a transformar e em que tipo de pessoa).

Mas este livro é sobretudo para pessoas que estão a pensar retirar-se, mas que procuram uma forma de manterem os seus níveis de energia para tornar sua vida mais agradável.

Refirmar será a “corrente filosófica” sobre como ter entusiasmo na sua vida, numa base contínua, tornando a mesma emocionante, independentemente da sua idade.

Estamos assim a ir de encontro ao que poderá ser o “Novo Normal”, ou seja, uma população mais sénior, com problemas de saúde, alguns crónicos, mas com a possibilidade de poder ter uma vida activa muito mais prolongada, e com isso poder atingir objectivos diferentes nas distintas fases da vida.

Concluindo, podemos estar a caminhar para um bónus de vivência, ou seja, ter uns anos “a mais” para viver e fazer a diferença. O lema poderá ser: Encontre um propósito na sua vida, para o resto da vida!

* (O autor escreveu este texto com base na ortografia antiga)

ASSINE AQUI E GANHE UM SACO. Ao assinar está a apoiar o jornalismo independente e de qualidade – essencial para a defesa dos valores democráticos em Portugal

Ricardo Gonçalves

Ricardo Gonçalves

EMPREGO

Ricardo Gonçalves é hoje Co-founder da Collectiv, onde ajuda empresas a crescer. Esta mudança recente veio ao encontro do seu espírito empreendedor, e permite-lhe levar para outro nível o conhecimento de pessoas e organizações que acumulou ao longo de quinze anos na área de Executive Search. Esteve na Amrop entre 2001 e 2016, onde cresceu pessoalmente e profissionalmente. Para tal muito contribuíram os vários projectos pelos quais foi responsável, sempre ao nível de recrutamento de top e middle management. Participou ainda num programa de desenvolvimento interno que o levou para Amrop Dinamarca. Experiência esta que foi complementada com o término do MBA (iniciado na Universidade Católica) na Copenhagen Business School.