Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Haverá forma de entender as birras?

As birras são “normais” e não significam, na esmagadora maioria dos caos, nenhum tipo de má educação

As birras são uma manifestação de desagrado, que geralmente surge quando uma criança se sente "frustrada" por não conseguir atingir determinado objectivo, seja porque é incapaz de o fazer ou então, mais frequentemente, porque é contrariada.

A idade de início é bastante variável, mas de um modo geral começam a surgir por volta dos 15 meses, quando a criança começa a ter alguma capacidade de entendimento, mas pouca capacidade de se expressar. Provavelmente este desequilíbrio entre o que a criança entende (que nesta idade é já bastante) e o que fala (muito pouco ou quase nada) é um dos principais factores que despoleta este tipo de manifestação. Para além disso, é também uma idade em que a criança vai adquirindo progressivamente mais autonomia, não tendo propriamente verdadeira capacidade para a gerir. Todas estas mudanças no desenvolvimento vão fazer com que as crianças se sintam defraudadas muitas vezes nas suas expectativas, surgindo a birra.

Quanto à idade em que terminam, ela não existe propriamente. Eu diria que até aos 3-4 anos e sempre a "piorar" e a partir daí vai melhorando muito lentamente. Depende sempre de cada criança, mas isso vai estar muito relacionado com a capacidade de expressão, negociação e persuasão de cada um...

São uma espécie de "teatro", que servem para a criança manifestar publicamente que está descontente e que, como tal, só funciona bem quando tem espectadores. É por esse motivo que muitas vezes as crianças decidem fazê-las em locais públicos, como quando se tem convidados em casa, quando se está num restaurante ou então num shopping ou hipermercado. Tem como objectivo tentar arranjar "aliados", aproveitando a fragilidade dos pais quando estão expostos a outras pessoas. Assim, a melhor forma de lidar com as birras é mesmo ignorar, sempre que seja possível. Obviamente, tem que se garantir a segurança da criança, mas o ideal é deixá-la sozinha quando está a fazer uma birra, explicando claramente "Estás a fazer uma birra, portanto vou sair daqui. Quando acabares eu volto". E isto implica que os pais saiam mesmo daquele local... O que vai acontecer é que numa primeira fase a criança vai berrar mais alto para chamar a atenção é a seguir acaba por parar.

As birras fazem parte do desenvolvimento normal e, portanto, é normal e até saudável que as crianças as façam. O papel dos pais, nessas situações, é o de ensinar que esse não é o caminho a seguir, ou seja, que as birras não são a solução “fácil” para conseguirem tudo o que pretendem. Por esse motivo, a pior resposta a uma birra é ceder à vontade da criança, pois assim ela passa a querer assumir sempre o controlo da situação.

Em jeito de conclusão, gostaria apenas de reforçar a ideia de que as birras são “normais” e não significam, na esmagadora maioria dos caos, nenhum tipo de má educação. Aos pais cabe (apenas) a tarefa de ensinar às crianças que elas não são a solução para todos os problemas, ajudando-as a tomar melhores decisões e, acima de tudo, desenvolver competências para resolver os conflitos de outra forma…

Hugo Rodrigues

Hugo Rodrigues

PEDIATRIA

Hugo Rodrigues é pediatra no hospital de Viana do Castelo e docente na Escola Superior de Tecnologias da Saúde do Porto e na Escola de Ciências da Saúde da Universidade do Minho. Pai (muito) orgulhoso de 2 filhos, é também autor do blogue "Pediatria para Todos" e do livro "Pediatra para todos"