Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Filipa Namora

Filipa Namora

ARQUITETURA E INTERIORES

Dicas para criar um quarto de criança moderno

É possível criar ambientes modernos e intemporais. Espaços capazes de se moldarem a qualquer idade de uma criança ou de um adolescente

Cada vez mais, os quartos das crianças estão associados a contos de fadas ou a espaços intergalácticos. Sejamos honestos, são poucos os quartos que fogem ao cliché de um tema.

O que pretendo dizer é que é possível criarmos ambientes desde cedo modernos e intemporais. No fundo, espaços capazes de se moldarem a qualquer idade de uma criança ou de um adolescente.

Hoje em dia, muitas das vezes, assistimos a um cenário composto por três fases distintas. O primeiro, quando os miúdos nascem, depois a partir dos 6 anos e, por último, quando entram na adolescência. Neste período, os rapazes são muito “homens” para terem um quarto tão infantil e elas, por outro lado, demasiado maduras para um quarto tão carregado de barbies.

Porque não desenvolver um novo registo, um novo espaço?

Mobiliário Suspenso

Hoje em dia, um dos maiores desafios é a dimensão do quarto. Uma vez que os quartos são em regra cada vez mais reduzidos, uma das dicas que deixo passa por substituir o sommier de cama por uma estrutura em vidro ou acrílico. Desta forma, a cama dará a ilusão de estar suspensa. Esta intenção pode ainda ser aplicada nas mesas de cabeceira e restantes móveis do quarto. Naturalmente irá ganhar mais amplitude e deixa espaço para se jogar com um tapete mais divertido, sem no entanto, perder uma imagem fancy.

Cama redonda

Caso o quarto seja mais espaçoso, uma das soluções possíveis é uma cama redonda. Se tem filhas, garanto que esta é uma dica que elas vão adorar e espalhar por toda a escola e amigos. Sendo rapariga e tendo em mãos qual o tecido a escolher, aconselho a uso de tons branco-areia. Este tipo de cama conjuga bem com um tapetão de baixo e altos relevos, ainda que no mesmo tom, enriquecendo mais o espaço.

Um dos problemas, que é colocado neste exercício, é a questão da mesinha de cabeceira. Há várias opções. Por um lado, pode jogar com uma mesa de fundo falso, ajustável à própria cama. Por outro, a própria cabeceira de cama, ao ser mais robusta e consistente, pode tornar-se, perfeitamente, numa peça de apoio à própria cama.

Veja na imagem que segue ambas as soluções integradas.

Cama de dossel

Este tipo de cama, para além de nos levar para um mundo onírico, ela pode ser um modelo divertido, minimalista e surpreendente. Desenvolvida com vários acabamentos, desde madeira, ferro, ou até, para os mais exuberantes, espelho, esta combina com praticamente todo o tipo de mesas de cabeceira, podendo dispensar candeeiros de teto, uma vez que já é um elemento bastante completo. Um candeeiro de mesa bastará.

Dicas gerais para o quarto

Obviamente que os papéis de parede são sempre um bom apoio para a criação de ambientes, sobretudo quando temos em mão paredes e tetos lisos.

No caso de ter uma parede em pedra, betão, tijolo ou madeira, tire o máximo proveito destes elementos sem os ocultar. Garanto que por mais frio que visualmente possa parecer, estes conferem grande conforto ao espaço, sobretudo quando conjugados com tecidos texturados, mesmo que dentro do mesmo tom.

Se ainda assim optar por papéis de parede, escolha-os sem brilho e de preferência com o mínimo de desenhos e figuras geométricas. Relembro que normalmente estes padrões são tendências que a médio prazo deixará de gostar. Assim, opte por papéis texturados, sem brilho. Pessoalmente, eu adoro aqueles que se assemelham a tecidos.

Apontamentos de exceção

É aqui que mais uma vez aconselho o uso da cor ou até mesmo peças mais irreverentes. Almofadas com diferentes padrões e tons são sempre uma boa aposta. Tapetes divertidos, cadeirões, telas e abajures devem ser usados sem medo. No fundo, estas pequenas apostas são facilmente alteradas e conferem rapidamente ambientes distintos.

Filipa Namora

Filipa Namora

ARQUITETURA E INTERIORES

Natural do Porto, Filipa Namora (1986) é mestre em arquitetura pela Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto. Divide a sua atividade profissional entre a arquitetura e, sobretudo, design de interiores. Neste âmbito, tem desenvolvido diversos projetos em várias cidades do país, incluindo espaços de hotelaria (de um hotel centenário em São Pedro do Sul a alojamentos locais de gama média-alta no Porto), bares, restaurantes e várias moradias de luxo. Em cada projeto aposta na autenticidade do espaço e tenta criar uma atmosfera de charme, requinte e conforto. Odeias clichês e não dispensa um bom copo de vinho.