Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Eduardo Bastos

Eduardo Bastos

Medicina Dentária

Nove factos sobre o bruxismo

Para 40% da população mundial, dormir significa fechar os olhos e ter um hábito bastante prejudicial para a saúde - o bruxismo, conhecido como o ato de ranger os dentes

Ter uma boa noite de sono pode significar para muitas pessoas, acordar de manhã revitalizadas e cheias de energia mas para 40% da população mundial dormir significa fechar os olhos e ter um hábito bastante prejudicial para a saúde - o bruxismo, conhecido como o acto de ranger os dentes.

Deixo-vos aqui 9 factos sobre o bruxismo que o pode deixar literalmente de “boca aberta”.

1 - Pode ter bruxismo e não saber

Acordar com os músculos do maxilar doridos ou com dor de cabeça que vai diminuindo ao longo do dia pode significar que range os dentes.

Esta actividade é principalmente exercida durante a noite e a maioria das pessoas nem dá conta que tem este hábito. A maior parte das vezes são os parceiros ou parceiras que confirmam ouvindo o ranger característico dos dentes.

Algumas pessoas também o fazem durante o dia, em certos momentos, de forma automática e sem darem por isso.

2 - Existem duas formas de bruxismo

O mais comum é quando se faz fricção entre os dentes superiores e inferiores em movimentos de um lado para o outro do maxilar. A outra forma de bruxismo é exercer pressão muscular na mandíbula apenas serrando os dentes uns contra os outros. Esta tende a ser mais comum durante o dia e a maioria das pessoas faz isso quando estão irritados, ansiosos ou muito concentrados.

3 - Cerca de 40% da população range os dentes regularmente.

Em certos momentos da nossa vida fazemos pressão muscular na mandíbula mas grande parte das pessoas faz isso de forma tão frequente que podem vir a sofrer algumas consequências negativas.

4 - É muito comum as crianças rangerem os dentes nos primeiros anos de vida, mas esse hábito vai gradualmente desaparecendo. Facilmente se identifica esta situação observando os dentes de leite e uma das principais razões para este fenómeno acontecer é o facto de a criança se estar a habituar a ter um crescente número de dentes na boca e o próprio alinhamento dos dentes estar a desenvolver-se.

5 - Cerca de 70% do bruxomanos, têm esse hábito por uma questão de ansiedade/stress.

O trabalho e a escola são, nos dias que correm, influencia para desenvolver bruxismo. A ansiedade em relação ao trabalho ou em relação ao nível de exigência escolar pode provocar ansiedade e picos de stress e o facto de nos tornarmos mais disponíveis onde quer que seja devido à tecnologia móvel e às exigências competitivas da própria sociedade fazem com que a pessoa nunca esteja totalmente relaxada mesmo já estando fora do horário escolar ou laboral.

6 - Bruxismo pode provocar sérios problemas. O desgaste dos dentes provocado pelo ranger dos mesmos pode fazer desaparecer a camada protetora e mais rígida expondo as camadas mais internas e mais macias do dente acelerando desta forma o desgaste precoce. As duas formas de bruxismo provocam pressão sobre os músculos e os ligamentos da mandíbula levando a dores ao acordar e ao longo do tempo a patologias da articulação maxilar.

7 - Distúrbios do sono podem ser factores causais de bruxismo, como por exemplo, ressonar ou até apneia do sono. Estas condições que perturbam o sono podem levar a um ponto em que a pessoa já não se encontra em sono profundo tornando-se mais vulneravel à realidade de vir a ranger os dentes. Quanto mais leve é o sono maior a probabilidade de ter bruxismo.

8 - O estilo de vida que uma pessoa tem pode provocar bruxismo. O tabagismo severo, ingestão excessiva de bebidas alcoólicas e de cafeína e o uso habitual de drogas como ecstasy ou cocaína, podem levar a ranger os dentes.

9 - A falta de dentição pode levar ao bruxismo. A remoção de um dente, particularmente na zona de trás da boca pode alterar a sua “mordida” ou seja a forma como os seus dentes encaixam uns nos outros quando fecha a boca. Essa “disfunção” repentina pode induzir a pessoa a iniciar o acto de ranger os dentes.

O principal tratamento para o bruxismo é a execução, por parte do dentista, de uma goteira oclusal ou de relaxamento personalizado para cada paciente. Estas goteiras podem ser feitas em diversos tipos de materiais, dependendo da situação clínica.

Na minha prática clínica utilizo somente uma goteira que é encaixada nos dentes da frente abrangendo os incisivos centrais superiores ou inferiores dependendo do caso. Desta forma garanto que todos os dentes deixam de ter contacto uns com os outros protegendo os seu esmalte e, como não existe qualquer ponto de contacto entre eles, a função muscular fica como que inutilizada.

Outro tratamento bastante eficaz é a aplicação de injecções de toxina botulinica que, em situações de bruxismo severo com repercussões graves, relaxa parcial e temporariamente os músculos do maxilar que promovem o ranger de dentes.

É importante a correcção da falta de dentes com recurso por exemplo a implantes dentários, próteses fixas ou removíveis. Também devemos repor a estrutura dentária perdida (desgastada/fracturada) através de coroas ou facetas dentárias e garantir o bom alinhamento dentário.

Eduardo Bastos

Eduardo Bastos

Medicina Dentária

Licenciado em Medicina Dentária, tem várias Pós-graduações em áreas especificas como Cirurgia Avançada de Implantes e Tecidos Moles, Implantologia e Estética Dentária. Sempre muito dedicado à vertente da implantologia e cirurgia oral, participou em várias palestras nesse âmbito. A sua experiência profissional incide na Reabilitação Oral integral, com forte componente estética. Participou em alguns programas de televisão dedicados à saúde oral e estética dentária e é muitas vezes convidado para rubricas de informação de medicina dentária. Sempre projectou ter o seu próprio espaço, com um ambiente que correspondesse às suas paixões e uma prática clínica sempre avançada/ atualizada, proporcionando um cuidado de excelência como sempre o fez. Foi em 2016 que deu estrutura ao seu sonho com a Clinica Mint (http://mint.pt ) em Lisboa.