Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Sandra Duarte Tavares

Sandra Duarte Tavares

LINGUÍSTICA PORTUGUESA

Dez grandes mitos da Língua Portuguesa

10 palavras que sofreram algum tipo de transformação e se tornaram, por isso, verdadeiros mitos na nossa comunicação diária

Água mole em pedra dura tanto bate até que fura. É ao ritmo desta bem conhecida expressão popular que a Língua Portuguesa cresce a olhos vistos! Há muitas palavras que, ao longo do tempo, vão sofrendo alterações fonéticas, gráficas e até semânticas. Quem conta um conto... Neste artigo, partilho convosco 10 palavras que sofreram algum tipo de transformação e se tornaram, por isso, verdadeiros mitos na nossa comunicação diária! Querem ser surpreendidos pela Língua? Venham daí comigo!

MITO 1

A presença de glicose no sangue designa-se glicémia.

Forma correta: GLICEMIA

A palavra glicemia pronuncia-se com e fechado, de acordo com a sua origem grega: glykýs (doce) + emia (sangue). Este segundo elemento entra na formação de várias palavras, como anemia, leucemia, alcoolemia.

MITO 2

Antes de pormos as batatas no forno, damos-lhes uma entaladela ao lume.

Forma correta: ENCALIDELA

Encalidela provém do verbo encalir, que significa “dar uma ligeira fervura a um alimento”.

MITO 3

Uma assinatura abreviada designa-se rúbrica.

Forma correta: RUBRICA

A palavra rubrica, com origem no latim rubrica, rubrus (vermelho), tem o seu acento tónico na penúltima sílaba (bri) e escreve-se sem qualquer acento gráfico, seja qual for o seu significado: “assunto, tópico” ou “assinatura breve”.

MITO 4

Cada um dos caracteres tipográficos designa-se caracter.

Forma correta: CARÁTER

A palavra caráter tem origem no grego kharákter (sinal distintivo) e, além de designar o temperamento de uma pessoa, refere também o sinal ou símbolo usado na escrita.

MITO 5

Patinagem artística pratica-se num ringue.

Forma correta: RINQUE

O nome rinque provém do inglês rink e designa o recinto plano, geralmente retangular, destinado à prática de patinagem ou de hóquei em patins.

O nome ringue provém do inglês ring e designa o estrado quadrado, geralmente cercado por cordas, para a prática de boxe, luta livre, luta romana, entre outros.

MITO 6

O fruto do diospireiro é o diospiro.

Forma correta: DIÓSPIRO

A palavra dióspiro deve levar acento agudo na antepenúltima sílaba; provém do grego dióspyros.

MITO 7

Uma sequência de acontecimentos que se repetem é um ciclo vicioso.

Forma correta: CÍRCULO VICIOSO

O adjetivo vicioso está relacionado com o nome vício e entra na combinatória «círculo vicioso». Esta expressão designa uma sequência de acontecimentos ou situações que se repetem sucessivamente e se reiniciam, havendo um impasse na sua resolução.

MITO 8

A sonda introduzida na veia ou artéria chama-se catéter.

Forma correta: CATETER

O nome cateter provém do grego kathetér (objeto que penetra) e é uma palavra aguda, ou seja, o seu acento tónico recai na última sílaba.

MITO 9

Um dia de sol é um dia solarengo.

Forma correta: SOALHEIRO

O adjetivo soalheiro significa “quente, exposto ao sol”. O adjetivo solarengo significa “relativo ou pertencente a solar (casa nobre, de arquitetura requintada).

MITO 10

A uma pessoa indesejável numa família ou num grupo de amigos chamamos ovelha ranhosa.

Forma correta: OVELHA RONHOSA

O adjetivo ronhoso formou-se a partir do nome ronha, que é uma doença que ataca alguns animais (uma espécie de sarna). Em sentido literal, uma ovelha ronhosa deve ser afastada do rebanho para não contaminar as demais e, em sentido figurado, designa uma pessoa indesejável, que se destaca negativamente do grupo a que pertence.

Sandra Duarte Tavares

Sandra Duarte Tavares

LINGUÍSTICA PORTUGUESA

É mestre em Linguística Portuguesa pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e professora no Instituto Superior de Educação e Ciências (ISEC Lisboa). É consultora linguística e formadora de Comunicação, e colabora ainda com a RTP em programas televisivos e radiofónicos sobre Língua Portuguesa.É autora dos livros “Falar bem, Escrever melhor” e “500 erros mais comuns da Língua Portuguesa” e coautora dos livros “Gramática Descomplicada”, “Pares Difíceis da Língua Portuguesa”, “Pontapés na Gramática”, “Assim é que é falar!”, “SOS da Língua Portuguesa”, “Quem tem medo da Língua Portuguesa?” e de um manual escolar de Português: “Ás das Letras 5”.