Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Nunca tive um bom, nem sequer um bom pequeno

Bolsa de Especialistas

José Morgado

  • 333

Marcos Borga

Estou a escrever este texto em tempo de férias escolares e à saída de mais um período de avaliações.

Em breve começará o terceiro período, o das decisões, que para muitas crianças e adolescentes será também o das explicações em busca da derradeira possibilidade de atingir no mínimo a passagem de ano e idealmente para muitos pais a excelência.

Num registo um pouco diferente do habitual e a propósito de avaliação e da forma como alunos e professores vivem este processo complexo permitam que partilhe uma pequena história.

Como todas as histórias começa assim:

Era uma vez uma menina chamada Maria. Tinha onze anos e não era muito bonita. Há meninos que não são.

A Maria também não era muito boa aluna, os colegas tinham sempre melhores notas que ela. E até se esforçava. Às vezes tinha dúvidas, os professores procuravam ajudar mas o tempo não era muito pelo que ainda ficava sem saber algumas coisas. Queria e tentava fazer os trabalhos de casa, mas o pai e a mãe não sabiam ajudar porque tinham andado poucos anos na escola e o irmão era mais novo.

A Maria era uma menina triste.

Um dia a directora de turma perguntou-lhe porque estava assim quase sempre. Escondida atrás de uns olhos grandes, esses sim muito bonitos mas tristes disse baixinho: “Eu nunca tive um bom, nem sequer um bom pequeno. Gostava tanto de ter um”.

Umas aulas depois a professora avisou que a turma teria novo teste.

A Maria, como sempre, ficou assustada mas depois de o fazer ficou mais tranquila, achou que tinha corrido bem.

Quando a professora devolveu os trabalhos a Maria viu escrito em letras gordas, bom, bom grande. Os olhos que já eram grandes, ficaram maiores, até ela se sentia mais crescida.

Os pais contaram aos vizinhos. A Maria podia não ter sempre notas tão altas como outros colegas mas já tinha tido um bom. Um bom grande, aquele bom grande.

A professora também ficou grande. Grande e amiga.

Felizmente os professores sabem que avaliar não é apenas classificar e muitos estão atentos às Marias que nunca tiveram um bom e que muitas vezes se perdem na transparência do anonimato, do destino.

(Texto escrito de acordo com a antiga ortografia)

José Morgado

José Morgado

EDUCAÇÃO

Doutorado em Estudos da Criança. Professor no Departamento de Psicologia da Educação do ISPA - Instituto Universitário. Membro do Centro de Investigação em Educação do ISPA - Instituto Universitário. Colaborador e consultor regular de Programas de Formação de Professores e de Projectos de Investigação e Intervenção. Colaborador regular em Programas de Orientação Educativa para Pais. Autor de diversas publicações nas áreas da qualidade e educação inclusiva, diferenciação pedagógica, etc.

Blogue – http://atentainquietude.blogspot.com