Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Conduzir? É na boa!

"Ahhhh! Uma rotunda! Ok, tem calma, já fizeste isto antes. Metam pisca, seus anormais!! Vou entrar agora, é o momento perfeito. Bora, bora bora, já está! Uff!" O relato delicioso da "primeira vez" de uma jovem ao volante de um carro, sem o instrutor de condução ao lado

Quem já fez e passou no exame de condução sabe que este é o grande momento da nossa vida. É o maior momento de liberdade e sensação de independência que que experimentámos.

Já não temos que depender dos nossos pais e da sua disposição para nos levarem e para nos irem buscar quando queremos fazer planos com os nossos amigos. Naquela altura até nos esquecemos que nos falta ainda ter o carro! Sentimo-nos mais adultos e capazes.

A adolescência é mesmo o tempo das primeiras vezes. Se bem que a minha mãe acha que vamos ter primeiras vezes de muita coisa até morrer.

Não resisto a escrever sobre esta experiência fantástica que é, a primeira vez que conduzimos sozinhos.

Conduzir com um instrutor ao lado, tem os seus aspetos positivos e negativos. São uma grande segurança quando ainda não controlamos devidamente o funcionamento do carro e as regras da estrada. Mas quando está a dar a nossa música preferida na rádio e não podemos aumentar o volume e começar a cantar, temos sempre vontade de os deixar no meio da auto-estrada.

Assim que temos permissão para conduzir, legalmente, sem ninguém ao lado, o nosso maior desejo é pegar no carro e começar a andar. Exceto aqueles indivíduos que nasceram com um dom para a coisa, pegar no volante não deixa de ser uma matéria nova e assustadora. Sentimos que é uma grande responsabilidade e já não temos ninguém para nos alertar que está uma pessoa a atravessar a passadeira quando estamos distraídos.

Não vamos todos ter a mesma experiência a primeira vez que conduzimos mas penso que em pelo menos num dos pontos que vou referir, vamos poder concordar:

  1. “Mãe! Vou dar uma volta”. Tenho os óculos de sol na cara, um sorriso confiante. Consegui as chaves do carro que estão a abanar na minha mão. Sou o/a maior. A mãe entra em stress.
  2. Ok, primeiro passo é ligar o rádio (finalmente na estação que eu gosto) e meter o carro a trabalhar. Vamos lá.
  3. Será que conseguem perceber que sou um condutor novo mesmo quando o carro não está marcado pelas cores berrantes dos carros da escolas de condução?
  4. Ahhhh! Uma rotunda! Ok, tem calma, já fizeste isto antes. Metam pisca, seus anormais!! Vou entrar agora, é o momento perfeito. Bora, bora bora, já está! Uff!
  5. Esqueci-me de meter o pisca para a direita para sair da rotunda... que rebelde que eu sou.
  6. Sinal amarelo!!! Acelero ou travo, acelero ou travo, acelero ou travo...uiii. Travei. Foi por pouco.
  7. Estrada livre, só para mim. Música a bombar, eu a cantar e a desafinar por todo o lado sem ninguém me julgar, foi mesmo assim que eu sonhei que isto seria.
  8. Um stop. Num stop para-se, até no deserto! Já parei, agora é só ver se não vem ninguém. Bi! Bi! Porque é que me estão a buzinar por parar?? É um stop!! Aghhr.
  9. Ups, será que me viram fazer aquilo? Esperemos que não. Estou a suar, é melhor baixar a música, não me consigo ouvir a raciocinar.

Porque é que estou tão nervosa? Se o governo diz que sou qualificada para conduzir, é porque sou. Ai, ai, ai!

  1. Luz Verde. “They see me rolling...”
  2. Quase a chegar, agora é só estacionar. Eu não sou boa a estacionar... para a frente, para trás, para a frente, roda mais, roda menos, mais para trás, mais para a frente... (suspiro), parece que consegui!

  1. Saio do carro, com as pernas dormentes e perguntam-me como é que correu. – Foi na boa!
Benedita Mendonça

Benedita Mendonça

ADOLESCÊNCIA

O meu nome é Benedita Mendonça e tenho 18 anos. Frequento o 12º Ano no curso de Humanidades. Já fui jogadora de ténis...agora sou só preguiçosa. Sofro de um vício incurável por Coca-Cola, o que provavelmente me ajuda a perder horas de sono a ler ou a escrever. Dá-me jeito tornar essas horas em algo mais do que perdidas e é por isso que quero partilhar toda a vasta experiência que esta minha idade me oferece sobre a adolescência.