Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Agosto na Cidade

Já sei que receberei muitas mensagens, dizendo que pelo menos agora a(s) Baixa(s) estão vivas, os edifícios arranjados e a(s) cidade(s) valorizada(s)

Marcos Borga

Antigamente, em plena silly season e à falta de tema que alimentasse a actualidade, o Agosto em Lisboa era tema comum para os cronistas da nossa praça. Gabavam o sossego, a abundância de lugares para estacionar, a disponibilidade dos melhores restaurantes, a ausência de filas nas caixas de supermercado, o trânsito desafogado e até a falta de portagem na ponte. Era um paraíso de trinta e um dias, um providencial tema para a crónica da semana, e uma forma de sentir menos inveja de quem estava a banhos no Algarve, no meio das filas, sem espaço para estender a toalha e tentando sobreviver ao stress familiar. Lisboa é que era!

Pois chegados a 2018, esse clássico da crónica estival deixou de fazer sentido. Em Lisboa não há época baixa e o inferninho continua. Filas no aeroporto e na ponte, onde se paga na mesma, em todas as artérias principais, em todas as ruas da Baixa, e nas entradas dos seus parques de estacionamento. Restaurantes cheios e um cínico “ai não tem reserva?” cada vez que temos a ousadia de perguntar se por acaso há mesa para dois. Ruas lotadas de turistas, como em Roma, Paris ou Barcelona. E um nível de stress equivalente ao de Albufeira, Armação de Pêra ou Quarteira em pleno pico da época balnear.

No Porto acontece o mesmo e já lá vai o tempo das lojas e cafés fecharem uma semanita em Agosto para descanso do pessoal. Temos hordas de europeus famintos por francesinhas. Temos hordas de senhoras de meia-idade sedentas por atoalhados. Temos hordas de apreciadores desejosos por bebericar um cálice de vinho do Porto. Temos pessoas em elétricos, autocarros panorâmicos de dois andares, barcos a imitar os rabelos, mesas de bares movidas a pedais e em todo o tipo de veículo turístico mais ou menos barulhento. Temos multidões nas filas para o bolinho de bacalhau, para o sorvete artesanal e para o pastel de nata (que é de Lisboa mas não importa, porque em Barcelona também se vê Flamenco e as pessoas gostam muito)!

Resumindo, acabou o sossego e já ninguém fica na cidade em Agosto com a alegria de um adolescente que se vê sozinho em casa. Sobretudo se, como eu, tem de aturar o Airbnb do andar de baixo e tentar dormir com os ecos das tainadas no logradouro, onde no outro dia houve até uma dança erótica, de stripper contratada a meio da tarde, para toda a vizinhança ver. Claro: velhotas indignadas, maridos desgostosos por não terem estado em casa àquela hora, crianças mandadas para o quarto e queixas para a proprietária do rés-do-chão. Lisboa em Agosto é que é!

Ora, como é costume quando escrevo sobre os impactos do turismo nas nossas vidas, já sei que receberei muitas mensagens, dizendo que pelo menos agora a(s) Baixa(s) estão vivas, os edifícios arranjados e a(s) cidade(s) valorizada(s). Vou receber emails dizendo que dantes ninguém ia ao centro, que ninguém lá vivia, que ninguém queria saber e que toda a gente tinha medo de lá passar. E vou ter de responder que não é verdade. Que a cidade não se faz só do restauros dos edifícios. Que vivi na Baixa de Lisboa até 2006 e na Baixa do Porto até 2011, e que além de nunca ter tido medo ou qualquer episódio que o justificasse, nunca deixei de sair à rua, de sair à noite, de fazer vida e de aproveitar a cidade. E que como eu havia mais gente, destemida e resistente, que gostaria muito de poder continuar a fazê-lo.

Vou ter de dizer, novamente, que essa narrativa, sendo uma generalização, é falsa e só é proferida pelos que, por desinteresse, não passavam nem perto. E repetir que esse “despreendimento”, de quem prefere perder o direito à cidade, sentindo que “pelo menos” está bonita e cheia de gente (que pode pagar), é como aquele romantismo bacoco de novela. Ao estilo já-que-não-podes-ser-minha-espero-que-sejas-feliz-com-outro-melhor-do-que-eu, com direito a um franzir de sobrolho à Tony Ramos canastrão, que chega a ser a pior do que passar um Agosto inteirinho na cidade.

(Crónica publicada na VISÃO 1328 de 16 de agosto)