Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Carta à minha filha

Vivemos num tempo em que se fica com a ideia que temos que escolher aquilo que é melhor para nós, aquilo que mais nos agrada. Mas isso é o grande engano dos nossos dias

D.R.

Minha filhinha,

Estás a dias de sair da barriga da tua mãe e ainda nem sequer tens nome. Ias ser Salomé, o tempo todo ias ser Salomé, porque era o nome da tua bisavó, avó da mãe, que a mãe adorava, mas agora parece que já não vais ser. A mãe lembrou-se de telefonar à tia avó, única irmã da tua bisavó Salomé, e pelos vistos a tua bisavó detestava o nome. Além disso, o nome tinha sido escolhido por uma madrinha que afinal acabou por se revelar uma bruxa, parece. Por isso não, já não vais ser Salomé. A mãe e eu andamos para aqui à volta com nomes (a mãe é um bocado indecisa, é uma coisa de família, tu já vais perceber.) Mas havemos de te arranjar um nome bonito. (Eu trato-te por tu, espero que não te importes, deste meu lado da família é pessoal da Maia e na Maia é tudo tu-cá-tu-lá). 
A mãe está com uma barriga gigante, maior do que quando foi dos manos, e a médica diz que tu és enorme. Por isso o pai chama-te Ticha Penicheiro (a Ticha Penicheiro é uma jogadora de Basket). Os manos todos os dias perguntam se já nasceste.

O mais velho é o Joaquim e o mais pequenino é o Luís. 
O Joaquim adora os Beatles e tem a mania dos Reis de Portugal. Beatles até se entende, mas os Reis de Portugal? 
O Luisinho é doido por aviões e anda sempre com um urso de peluche que ele diz que se chama Salomé. O pai é músico. 
É cantor, imagina tu. Nem sequer tem grande jeito para cantar e é envergonhado. Isto de viver a vida a cantar nos palcos com toda a gente a olhar não estava propriamente nos meus planos, mas a vida é assim. Vê lá tu. A mãe desenha e faz os cenários do palco do pai. Também nunca pensou que ia ser essa a vida dela. A vida é mesmo assim. Vai pegar em ti e levar-te para onde achar que lhe fazes mais falta, onde sentir que lhe fazes mais diferença. O sentido da vida é esse, é a pessoa deixar-se ir. 
O pai é medroso, a mãe é corajosa. Em caso de dúvida, a mãe tem sempre razão. O pai vai passar a vida a correr atrás de ti para te agarrar para tu não caíres. A mãe vai passar a vida a correr atrás do pai para agarrar o pai para o pai não te agarrar tanto. Será que vais ser jogadora de Basket, de tanto o pai te chamar Ticha Penicheiro? A vida lá saberá. Vivemos num tempo em que se fica com a ideia que temos que escolher aquilo que é melhor para nós, aquilo que mais nos agrada. 
Mas isso é o grande engano dos nossos dias. Temos é que deixar que seja a vida a escolher-nos para aquilo que for melhor para os outros. Foi a mãe que me ensinou estas coisas. O mundo também é capaz de te impingir a ideia de que é mau. Mas o mundo é um mimado. No fundo, no fundo, ele é bom, generoso, redentor. Faz de tudo para não parecer, mas é. (Se não fosse, já não estávamos aqui para ter esta conversa.) E a prova de que o mundo é assim, bom, generoso, regenerador, está ali aninhada, impaciente, aos pontapés dentro da barriga da mãe, sob a forma de uma sardanisca irrequieta que para já ainda vai ser a filha do cantor conhecido. Mas a vida é boa e um dia o cantor vai ser conhecido mas é por ser o teu pai.

Crónica publicada na VISÃO 1287 de 2 de novembro