Não sei se o leitor se lembra de um político que foi, em tempos, bastante proeminente em Portugal. Chamava-se, salvo erro, Aníbal Cavaco Silva. Parece-me que era isto. Durante algum tempo, esteve muito presente na vida portuguesa. Depois, foi tendo cada vez menos intervenção, e limitava-se a emitir algumas mensagens curtas através daquele sítio da Internet que foi inventado por um adolescente americano com o objectivo de falar com os seus colegas e amigos acerca das suas colegas e amigas. Mas, nos últimos tempos, o político de que lhe tenho estado a falar desapareceu. Uma vez que ninguém parece interessado em avisar as autoridades, permitam-me que lance eu aqui o alerta do costume:

Desapareceu de seu palácio Aníbal Cavaco Silva. Quando foi visto pela última vez, vestia fato escuro e gravata azul. É de estatura média e em princípio não dispõe de meios financeiros para se deslocar ou garantir o seu sustento, uma vez que, segundo se sabe, a reforma não lhe chega para as despesas. Se alguém possuir informações que nos possam levar ao seu paradeiro, por favor contacte a Polícia de Segurança Pública.

Está feito. Resta-nos aguardar. Enquanto esperamos, recordemos algumas das suas opiniões mais interessantes, emitidas no tempo em que ele verbalizava pensamentos. A jornalista Ana Sá Lopes topou esta semana, por acidente, com um livro de Cavaco Silva. E, por abnegado sentido profissional, leu-o. Beneficiamos todos do seu sacrifício, porque a jornalista citou um texto de 2001 em que o autor se insurge contra o então primeiro-ministro António Guterres, que pretendia cortar na despesa pública para fazer face à diminuição do crescimento económico. Escreve Cavaco Silva: "O que terão pensado os meus alunos da Universidade ao ouvirem o primeiro-ministro e o ministro das Finanças afirmarem perante as câmaras de televisão precisamente o contrário do que lhes ensinei e que leram nos livros de macroeconomia e de finanças públicas? Porque estamos em época de exames, entendi que era meu dever não ficar calado. O argumento é falso." E acrescenta, para ilustração dos seus alunos: "Quando o crescimento económico de um país abranda, a política correcta é precisamente deixar que a receita fiscal baixe automaticamente e não cortar na despesa pública. (...) Se quando um país é atingido por uma crise económica se cortasse a despesa pública, a crise ainda se agravava mais. É por isso que não se deve fazê-lo."

Em 2001, o professor Cavaco Silva tinha o dever de não ficar calado, para que os seus alunos não fossem induzidos em erro. Em 2012, tem estado bastante silencioso perante o mesmo problema. A pedagogia sobrepõe-se à democracia, o que é surpreendente e desagradável - mas, felizmente, tem fácil solução. Se todos os portugueses se matricularem num curso de economia, talvez o Presidente da República intervenha, para que o Governo não nos imponha uma solução que qualquer economista considera desastrosa. Se, em vez de cidadãos, formos alunos, talvez tenhamos direito a uma palavrinha.

Confesso que nunca votei em Cavaco Silva. Normalmente, o que me afasta de Cavaco são divergências ideológicas. Desta vez, o que me impede de votar nele são as leis da física: não me é possível votar, em 2012, no Cavaco de 2001. Mas talvez este nos desse jeito, agora.