Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

  • Dijsselbloem e vinho verde

    José Mascarenhas

    AMESTERDÃO, HOLANDA - É assim a cultura holandesa e por isso até há um consenso geral que Dijsselbloem não fez nada de mal. Apenas disse a verdade. Ou aquilo que para ele é verdade

  • Eu, mentirosa, me confesso

    Mariana Palavra

    YANGON, MYANMAR - No escritório, todos sabem quem é quem, o que em Myanmar é sinónimo de conhecer o cargo profissional, etnia e a religião professada. Ninguém está imune. Em Novembro, recebi um email endereçado aos cristãos do escritório, solicitando uma contribuição para realizar a festa de Natal. Mas por que raio o meu nome estava naquela lista?!

  • Não temos medo, o caraças!

    Miguel Moreira Rato

    LONDRES, REINO UNIDO - Aquele percurso faz parte do meu dia-a-dia. Amanhã não vou correr. Amanhã vou entrar no metro ao lado do escritório. Se calhar até fico a trabalhar de casa. Hoje, pela primeira vez na vida, percebi o que é sentirmo-nos vulneráveis

  • Medo! Isto é fácil é para os mais novos!

    Nuno Guerreiro

    NOVA IORQUE, EUA - Quando dei por mim, estava a fazer uma aula de snowboard, nervoso, eufórico e ainda mais ansioso. E pensei, mas porque me fui meter neste filme?

  • Cordas de violinos

    José Reis Santos

    BUDAPESTE, HUNGRIA - Calhou em boa sorte escrever a minha primeira crónica durante o 169º aniversário de um dos principais momentos identitários da Hungria moderna

  • Passageiros

    Miguel Moreira Rato

    LONDRES, REINO UNIDO - Há uma expressão meio esotérica que serve sempre bem aos mais crentes e que diz que “estamos todos aqui de passagem”. A verdade é que nós, emigrantes, estamos mesmo. Não sabemos quando voltamos, se voltamos, nem sequer para onde voltamos. Somos passageiros autênticos. O que é bom, mas às vezes também nos causa algumas olheiras.

  • Uma expatriada no Sudeste Asiático

    Rita Cruz

    KUALA LUMPUR, MALÁSIA - Toda esta vida, por sua vez, passa-se numa bolha. Uma espécie de realidade virtual onde é mais ou menos fácil construir o mundo ideal, expelindo da vista o que não o é