Em agosto de 2010, o Sol "acordou" de um período tranquilo. Desde então, vive um período mais ativo, marcado por tempestades magnéticas e pelas mega-explosões de partículas, as ejecções de massa coronal, que, graças ao escudo magnético da Terra, não causam qualquer perturbação ao nosso planeta.

Mas, em Vénus, tudo é diferente. A 42 milhões de quilómetros mais perto do Sol do que a Terra, e sem campo magnético, tem as "portas abertas" às partículas carregadas das ejecções de massa coronal, transformando-se, nestas ocasiões numa espécie de forno sulfuroso.

Para ilustrar esta explicação, a NASA divulgou um vídeo que mostra os efeitos, nos dois planetas, do fenómeno.