Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Primeiro-ministro deposto da Guiné-Bissau rejeita violência e declara-se homem de bem

Lusa

  • 333

Redação, 26 out (Lusa) -- O primeiro-ministro deposto da Guiné-Bissau declarou hoje à Lusa que rejeita atos de violência, é homem de bem e terá de reagir a quem o acusa de envolvimento no assassínio de políticos ou ataques militares.

Carlos Gomes Júnior, que se encontra na África do Sul desde quarta-feira, disse à agência Lusa, em contacto telefónico a partir de Lisboa, que desconhece a existência de uma carta rogatória que as autoridades de Bissau informaram ter enviado a Portugal no passado dia 10 para que seja ouvido no âmbito do processo de Helder Proença, ex-ministro da Defesa guineense, assassinado em 2009.

Face à carta, que segundo fonte do gabinete de imprensa da Procuradoria-Geral da República portuguesa ainda não entrada na instituição, Gomes Júnior não hesita em afirmar que os seus advogados tratarão de seguir o processo.