Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Presidente da Associated Press diz que espionagem à agência "congelou" as fontes

Lusa

  • 333

Denver, Estados Unidos, 20 out (Lusa) -- O presidente da Associated Press (AP), Gary Pruitt, afirmou sábado que o registo por parte do Departamento de Justiça norte-americano de milhares de registos telefónicos dos seus jornalistas teve um "efeito congelador" para o jornalismo dentro e fora da agência.

"O mal está feito. As nossas fontes sentem-se nervosas a falar connosco. (As ações do Departamento de Justiça) esfriaram a realização de notícias e intimidaram as fontes tanto oficiais ou não", disse Gary Pruitt aos 300 participantes da Assembleia Geral da Sociedade Interamericana de Imprensa, que decorre em Denver, no Colorado.

A recolha secreta de informação de 20 linhas telefónicas da AP entre abril e maio de 2012 foi realizada para investigar fugas de informação de questões de segurança, de acordo com o Departamento de Justiça e estava relacionada com uma notícia publicada pela agência a 07 de maio de 2012 em que revelava que o Governo tinha frustrado um plano da Al-Qaida para atacar um avião norte-americano.