Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Portugal não deve cortar demasiado nas prestações sociais, defende OCDE

Lusa

  • 333

Lisboa, 12 dez (Lusa) -- A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) defende que Portugal não deve cortar demasiado nas prestações sociais e transferências sociais para as famílias de forma a suavizar o impacto da recessão, mesmo que aumente a despesa pública.

"A mensagem é que não se corte demasiado ao nível das prestações e transferências sociais para as famílias, de forma a suavizar o impacto da envolvente macroeconómica que é negativa neste momento, mesmo que isso acarrete um peso acrescido sobre o orçamento pelo lado da despesa", afirmou à Agência Lusa João Tovar Jalles, economista na OCDE responsável por Portugal.

A OCDE defende que o esforço de contenção e a austeridade que o Governo está a levar a cabo no âmbito da atual crise e do programa de ajustamento acordado com o Fundo Monetário Internacional, Comissão Europeia e Banco Central Europeu deve ser calculado para que não se penalize e corte demasiado nestas prestações.