Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Portas apela a "realismo consensual" e Seguro diz que há "partido bom e partido mau" no Governo

Lusa

  • 333

Lisboa, 01 mar (Lusa) - O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros apelou hoje a um "realismo consensual" por parte do maior partido da oposição, enquanto o secretário-geral socialista criticou as posturas divergentes na coligação PSD/CDS-PP, no debate de urgência sobre a crise.

"A alternativa do PS não é a rotura com a missão externa [da 'troika']. Todas as negociações visam chegar a compromissos, aceites por ambas as partes. Temos diferenças que não me parecem irreconciliáveis", afirmou o também presidente do CDS-PP, Paulo Portas, pedindo aos partidos do arco da governação para se unirem em vez de "acentuar o que os divide".

Para Portas, "a boa escolha não é pôr tudo em causa, mas antes conciliar a confiança externa e a confiança interna, preservar os adquiridos da confiança externa e apostar na dinamização da confiança interna", sublinhando o grande trunfo de Portugal perante os parceiros da Europa: "a credibilidade" porque "o prémio a quem foi cumpridor não seria facilitado a um país que tivesse optado pela via da contestação permanente".