Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Saldo natural agravou-se "num curtíssimo espaço de tempo" em Portugal - Especialista

Lusa Visão Verde

  • 333

Évora, 28 mar (Lusa) -- A presidente da Sociedade Portuguesa de Demografia (SPD) alertou hoje para o agravamento, "num curtíssimo espaço de tempo", do saldo natural em Portugal e realçou que a tendência futura é para "um cada vez maior declínio".

"Se mantivermos os mesmos níveis de mortalidade e de fecundidade, ou se as mulheres tiverem ainda menos filhos do que já têm e continuarem a adiar, poderemos ter uma situação muito grave em termos do défice de nascimentos face aos óbitos", avisou Maria Filomena Mendes.

A presidente da SPD falava à agência Lusa a propósito das Estatísticas Demográficas do Instituto Nacional de Estatística (INE), divulgadas na quarta-feira. Segundo os dados, Portugal registou mais mortes do que nascimentos em 2011, numa diferença de quase seis mil, num ano em que foram assinalados 102.848 óbitos e 96.856 nados vivos.