Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Saída da CGD permite à Galp "voar pelas suas próprias asas" -- Ferreira de Oliveira

Lusa Visão Verde

  • 333

Lisboa, 11 fev (Lusa) -- O presidente da Galp apontou hoje a saída da CGD do capital da petrolífera como "um evento importante" em 2012, que "permite à empresa voar pelas suas próprias asas, sem acordos parassociais, que condicionem as suas decisões".

"Em 2012, completou-se a privatização da Galp com a venda do 1% da CGD a que estavam atribuídos direitos especiais", afirmou, considerando "um evento importante que permite à empresa voar pelas suas próprias asas, sem acordos parassociais, que condicionem as suas decisões que fica apenas pela limitada pelo código comercial e pelos seus estatutos", declarou Ferreira de Oliveira na apresentação dos resultados anuais.

A CGD vendeu a 27 de novembro, por 95,2 milhões de euros, a participação de 1% que tinha na Galp, englobada na alienação de parte da posição da italiana ENI na petrolífera, deixando de ser acionista da petrolífera.