Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Avaliação dos efeitos da austeridade na saúde devia ter sido feita antes - Sakellarides

Lusa Visão Verde

  • 333

Lisboa, 27 out (Lusa) - O coordenador do Observatório Português dos Sistemas de Saúde (OPSS) Constantino Sakellarides alertou hoje que o estudo do impacto da austeridade na saúde dos portugueses, anunciado para 2013, "não pode ser arqueológico" e devia ter sido feito antecipadamente.

"O estudo de impacto não pode ser arqueológico, não pode ser depois do facto, não pode ser a constatação do que correu mal. Tem de ser feito antecipadamente", disse o professor da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) num debate em Lisboa sobre o Serviço Nacional de Saúde, promovido pela Associação 25 de Abril.

Para o ex-diretor da ENSP, os efeitos da crise e da austeridade na saúde já se fazem sentir, por exemplo, na saúde mental dos portugueses, que estão mais deprimidos e ansiosos.