Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Portugal não pediu flexibilização do défice de 2014, mas poderá vir a fazê-lo -- Passos Coelho

Lusa economia

  • 333

Lisboa, 27 mai (Lusa) - O Governo português não fez nenhum pedido de flexibilização da meta para o défice de 2014, nem colocou em cima da mesa qualquer valor, mas poderá vir a fazê-lo, afirmou hoje o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho.

"Não só não foi feito nenhum pedido nesse sentido, como eu próprio transmiti hoje ao presidente do Eurogrupo, quanto ainda menos estar a falar de valores precisos para a revisão do défice", declarou Passos Coelho aos jornalistas, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

O chefe do executivo PSD/CDS-PP, que hoje de manhã se reuniu com o presidente do Eurogrupo, referiu ter dito a Jeroen Dijsselbloem o mesmo que disse na Assembleia da República na sexta-feira: "Não podemos, desde já, excluir que Portugal não possa vir a necessitar de flexibilizar as metas do défice para 2014, mas faremos tudo o que está ao nosso alcance para cumprir as metas que foram agora acordadas no sétimo exame regular".