Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Não estamos num "regime planificado" que "possa impor concessão de crédito"- Carlos Costa

Lusa economia

  • 333

Lisboa, 09 mai (Lusa) - O governador do Banco de Portugal sublinhou hoje que "o crédito é um contrato voluntário entre um banco e um tomador de crédito" e, que "não estamos num regime planificado em que se possa impor a concessão de crédito".

Poucos dias depois do discurso do Governo sobre a Caixa Geral de Depósitos, no sentido da necessidade desta conceder crédito às Pequenas e Médias Empresas portuguesas (PME), Carlos Costa vem sublinhar que "no dia em que alguém impuser a concessão de crédito passa a ser responsável pelo crédito malparado que surgir a seguir".

"Temos uma grande esquizofrenia em relação aos bancos. Pedimos aos bancos toda a segurança quanto aos depósitos e toda a tolerância quanto ao crédito, como se fossem duas coisas completamente distintas", criticou Carlos Costa, numa conferência organizada pela CIP - Confederação Empresarial de Portugal, para debater a 'Economia Portuguesa - Competitividade e Crescimento', em Lisboa.