Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

CGD reduz efetivos e agências para melhorar "eficiência operacional" - José de Matos

Lusa economia

  • 333

Porto, 22 out (Lusa) - O presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos afirmou hoje que a "melhoria da eficiência operacional" do banco prevê a redução do número de trabalhadores "no longo prazo", não substituindo os que se reformam, e a diminuição do número de agências.

"Temos que reduzir o número de empregados no longo prazo (não há nenhuma medida agressiva de redução do pessoal porque não tem sido necessária) e temos que fazer mais alguma redução do número de agências e reduzir os custos com os serviços", afirmou José de Matos durante a conferência "Empresas na Caixa", que hoje decorreu no Porto.

Em declarações aos jornalistas à margem da iniciativa, o presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD) esclareceu que o plano de reestruturação do banco para o período 2013-2017, aprovado com a Direção Geral da Concorrência em Bruxelas, prevê uma redução do número de agências (que diz estar já "praticamente concretizada") e "uma redução das necessidades de mão-de-obra no horizonte de 2017".