Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Liga defende racionalização do número de polícias nos estádios

Lusa

  • 333

Lisboa, 26 fev (Lusa) -- A Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) defendeu hoje a racionalização do número de polícias afetos à segurança nos estádios, reiterando ser favorável a que a generalidade dos jogos tenha policiamento.

Em resposta à agência Lusa, após os incidentes ocorridos no domingo, que levaram à suspensão do encontro entre as equipas B do Vitória de Guimarães e do Sporting de Braga, da 30.ª jornada da II Liga, a LPFP salienta que "é necessária uma adequação e proporcionalidade dos meios de segurança públicos afetos à segurança nos estádios, para que não exista o exagero que se tem verificado no número de polícias nos estádios, e que ultrapassa o rácio estabelecido" por lei.

Segundo os números avançados à Lusa, no esclarecimento prestado por escrito, a grande maioria dos encontros das competições profissionais tem tido um número de elementos muito superior ao estipulado legalmente, que define que num jogo de risco normal deve estar presente um elemento policial por cada 500 ou 600 espetadores, ao passo que para os de risco elevado está estipulado que esteja um agente por cada 200.