Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Jogar com "virtude" pode ajudar Portugal num processo de renegociação de dívida - Carlos Costa

Lusa

  • 333

Lisboa, 10 jul (Lusa) - O governador do banco de Portugal disse hoje que se o país souber jogar o jogo europeu e demonstrar que o faz com virtude, "sobre a virtude alguém põe sempre uma bênção" num eventual processo de renegociação da dívida.

"Saibamos nós jogar o jogo europeu com responsabilidade, saibamos nós jogar este binómio responsabilidade-solidariedade, saibamos nós ser parte do processo e demonstrar que o estamos a fazer com -- vou utilizar uma palavra que não é normal em economia -- virtude, julgo que sobre a virtude alguém põe sempre uma bênção", disse o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, em resposta à defesa da necessidade de Portugal renegociar a dívida pública, defendida pela economista Manuela Morgado.

A ex-presidente da Associação Portuguesa dos Economistas, que hoje ouviu o governador do banco central encerrar o Ciclo "A Europa e os Caminhos do Futuro", promovido pela Ordem dos Economistas, sugeriu que o governo português deveria ser capaz de negociar com os seus credores o "adormecimento da dívida do resgate" e que os 78 mil milhões de euros que Portugal recebeu da "troika" apenas deveriam ser pagos "nos anos em que houvesse crescimento da economia, ao longo de vinte, trinta, cinquenta anos".