Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Inquérito/BPN: Primeiro-ministro teve intervenção direta para evitar rutura com o BIC - Mira Amaral

Lusa

  • 333

Lisboa, 13 jul (Lusa) - O presidente do banco BIC Portugal, Mira Amaral, afirmou hoje que só foi possível acordar a compra do BPN após duas intervenções diretas do primeiro-ministro nas negociações, ambas em novembro passado, para evitar a liquidação.

Mira Amaral falava na comissão parlamentar de inquérito sobre a nacionalização e reprivatização do Banco Português de Negócios (BPN), em que contou em detalhe todos os passos dado pelo banco BIC Portugal desde que foi convidado em abril de 2011 a estudar uma proposta de compra direta do banco nacionalizado.

Perante os deputados da comissão de inquérito, Mira Amaral disse que o atual Governo, em setembro passado, por sugestão de um gabinete de advogados, alterou as condições de compra acordadas dois meses antes (em julho), o que fez com que a 21 de novembro, ele Mira Amaral tenha decidido "fechar a loja" - atitude de rutura que seria depois confirmada pelo próprio presidente do banco BIC, Fernando Teles.