Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Diretor do SICAD faz balanço positivo dos 6 meses de fecho das smartshops

Lusa

  • 333

Porto, 04 nov (Lusa) - O diretor do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD) fez hoje um balanço "claramente positivo" dos seis meses da entrada em vigor da lei que proibiu a venda de drogas em "smartshops".

"Aquilo que temos como dado objetivo é uma queda quase vertiginosa do número de urgências hospitalares relacionado com o uso destas substâncias", disse João Goulão, que falava aos jornalistas à margem da conferência "Novas adições, Novos desafios", organizada pela Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte.

O responsável do SICAD referiu que desde que a lei foi aprovada houve "um encerramento quase total das lojas, porque deixaram de ser viáveis do ponto de vista económico". Algumas sobrevivem com "a venda de objetos, parafernália relacionada com o uso de substâncias, como sejam cachimbos mortalhas e outro material, mas não vendem as substâncias".