Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

"Descrença e erosão da base social" são "evidentes" mas é preciso persistir com programa da 'troika' -- governador do BdP

Lusa

  • 333

Lisboa, 14 dez (Lusa) - Apesar da "descrença e da erosão da base social" de apoio ao programa da 'troika', não pode haver "qualquer desvio" no processo de consolidação orçamental, disse hoje o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa.

"Qualquer desvio, por muito agradável que pudesse parecer no imediato, implicará esforços redobrados de retificação de trajetória e perdas de credibilidade dificilmente superáveis", disse hoje Costa, numa cerimónia de homenagem ao economista João Ferreira do Amaral.

"Decorrido um ano e meio desde o início da execução do programa, o ajustamento mais rápido do que o previsto das contas externas e a melhoria sustentada das condições de financiamento do Tesouro evidenciam que foi já percorrido um importante caminho", prosseguiu Costa.