Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Brasil dificilmente conseguirá crescer acima de 3% de forma consistente - Moody's

Lusa

  • 333

Nova Iorque, 13 mai (Lusa) - O Brasil dificilmente conseguirá sustentar taxas de crescimento do Produto Interno Bruto acima dos 3% de forma sustentada, escreve hoje a agência de notação financeira Moody's, no relatório de maio sobre as perspetivas e os riscos da economia mundial.

Na atualização de maio do 'Outlook' para 2013 e 2014, a agência de rating escreve que "permanecem dúvidas sobre a capacidade do Brasil crescer muito mais depressa que 3% por ano numa base consistente" e revê em baixa a previsão de crescimento do país para este ano, colocando-a num intervalo entre os 2,5 e os 3,5%, acelerando para entre 3 e 4% em 2014.

Em 2011, o Brasil cresceu 2,7%, mas no ano passado a previsão da agência aponta para um redução para os 0,9% do PIB, refletindo o abrandamento em todas as componentes do PIB, embora existam "sinais de que o consumo privado começou a recuperar", o que, ainda assim, pode ser anulado pela elevada inflação, que vai retrair o consumo das famílias e já levou o banco central a aumentar a taxa de juro diretora.