Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

2012: Radicalização política e mais austeridade numa Grécia em prolongada recessão

Lusa

  • 333

Atenas, 14 dez (Lusa) -- A crise da dívida na Grécia, que se prolonga desde 2009 num país forçado a negociar dois empréstimos internacionais em troca de duras medidas de austeridade, implicou uma alteração do mapa político, com a emergência de forças radicais.

As legislativas antecipadas de junho de 2012, após o inconclusivo escrutínio do mês anterior, confirmaram um fenómeno político único nos países da União Europeia (UE).

Mais de 50% dos eleitores mudaram o sentido de voto e a coligação da esquerda radical (Syriza), que agrupa 12 formações, afirmou-se como a segunda força política com quase 27% dos votos, a eleição de 71 deputados num parlamento de 300 lugares, a menos de três pontos dos conservadores da Nova Democracia (ND), vencedores do escrutínio.