Jornal de Letras

Siga-nos nas redes

Perfil

Um fotógrafo na paisagem

Origami

FOTOGALERIA Há sempre um Portugal desconhecido que espera por Duarte Belo, que tem feito um exaustivo levantamento fotográfico do país. Mas desta vez, a sua objectiva fixou em imagens a ilha de Santiago, em Cabo Verde e desse trabalho resultou Cidade do mais antigo nome, um livro com poemas de José Luiz Tavares, edição Assírio & Alvin, que será lançado amanhã, quinta-feira, 11, às 18 e 30, na sede do UCCLA, à rua de São Bento, em Lisboa

Qualquer coisa de western havia de acudir ao espírito de quem o visse, solitário, seguindo a linha férrea, as botas arrastando poeiras e resíduos das chulipas, os olhos semicerrados de luz e paisagem a perder de vista. Foram 54 quilómetros, todos palmilhados a pé, sempre seguindo o caminho por onde já não passam comboios. Aqui e ali, a tropeçar nalguma pedra ou nas ervas rasteiras que já vencem o destino desbravado pelo ferro dos carris. Três dias e por certo um par de botas ou bem podiam ser ténis, diga-se em abono da realidade, mesmo que desfavorecendo a metáfora -, sempre a andar pela linha do Tua, de mochila às costas, como é seu hábito, e o olhar a despenhar-se pelo desfiladeiro, cavado do céu ao fundo do tempo. Podia lembrar um cowboy solitário, mas não era nem um caminheiro daqueles que agora põem pés ao caminho para manter a forma física e a cultura geral, em comunhão com a Natureza. Era um fotógrafo andarilho, Duarte Belo, que já gastou muitas solas, percorrendo o país de Norte a Sul, de Este a Oeste, fazendo da sua máquina fotográfica a única bússola.

Do Tua até Mirandela e depois até Bragança, fez por certo umas boas centenas de fotografias, que podem constituir o material de um dos seus próximos livros. E ele já tem uma bibliografia invejável. A edição é a vertente mais forte do seu trabalho que assenta em projectos que vai arquitectando. Gosta de livros e de os fazer. Não será de estranhar, já que, como justifica, cresceu no meio deles. Poderá mesmo dizer-se que são uma questão de berço, pois aparte a biblioteca que lhe forrou os dias desde a infância, é filho do poeta Ruy Belo. A poesia de Duarte Belo escreve-se por imagens, ainda que sejam da sua lavra as memórias descritivas que acompanham as suas fotografias, nos livros que faz.

O último que acaba de publicar, Cidade do mais antigo nome, uma edição da Assírio & Alvim, é uma parceria com o poeta cabo-verdiano José Luiz Tavares. O desafio partiu do poeta e Duarte Belo aceitou com entusiasmo fotografar a ilha de Santiago, em Cabo Verde. "Interessa-me muito uma vez que a Cidade Velha foi fundada por portugueses, em 1460, e ainda existem vários elementos de origem portuguesa, como o pelourinho, o que se relaciona com o trabalho que tenho feito cá em Portugal", adianta. E o que tem feito é um verdadeiro "levantamento do território português", da paisagem ao povoamento. 

Além do "registo documental", na Cidade Velha, Duarte Belo procurou "uma leitura mais interpretativa do lugar". Por outras palavras, quis dar a ver o que era menos evidente, traços que "falem da História, do povoamento, da natureza e da forma como é habitado".

Em certa medida, pesou também o conhecimento dos poemas de José Luiz Tavares sobre a Cidade Velha, ainda que as imagens estejam longe de qualquer intenção ilustrativa. "Gosto de fotografar as coisas pela 'primeira vez', mas tendo a preocupação de responder a algumas questões levantadas pelo texto", diz. Passou uma semana em Santiago e fez à volta de quatro mil fotografias, das quais escolheu as 92 que integram o livro. "A situação da cidade velha, junto ao litoral, o facto de ter uma ribeira com água todo o ano, tornaram muito sedutor fotografar, para tentar captar essa presença, esse contraponto do verde num território muito seco", adianta. De resto, fotografa sempre compulsivamente, de uma "forma intuitiva" e a selecção das imagens, o "crivo", como lhe chama, é depois a sua mais árdua tarefa. "Vou fazendo sequências de imagens, neste caso, tendo em conta a relação com os poemas, e a escolha faz-se por etapas", explica.

Depois de Santiago, Duarte Belo gostaria de fotografar a ilha do Fogo para registar essa "respiração vulcânica da terra", que tanto o impressionou quando recentemente fez um trabalho sobre o vulcão dos Capelinhos, nos Açores. E seguiria de alguma maneira os passos do geógrafo Orlando Ribeiro - outro andarilho que cartografou Portugal de lés a lés -, cuja obra é para ele inspiradora. Registou em livro aliás a casa do geógrafo e com a sua mulher, igualmente geógrafa, Suzanne Daveau e com o historiador José Mattoso, fez uma série de 14 volumes, O sabor da terra, para o Círculo de Leitores. Com a mesma chancela, publicou uma dúzia de tomos de Portugal Património, um trabalho de fôlego que implicou uma dezena de anos de trabalho, cinco no terreno, outros tantos preparando a edição.

Poucos serão os recantos de Portugal que ainda não esquadrinhou. Mas ainda não se dá por satisfeito. Gostaria, por exemplo de calcorrear o maciço central: Serra da Estrela, Serra do Açor e Serra da Lousã. Por montes e vales, sempre a pé, sempre fora da estrada. É assim que gosta de fotografar. Noutros tempos, fazendo alguns troços com a sua carrinha 4L, um granel de rolos e um rol de mapas e cartas militares na bagagem, acampando tanto quanto possível pelo caminho. Nessas expedições, fez mais de cinco mil rolos de fotografias a preto e branco, ao todo 150 mil imagens que tem agora o propósito de trabalhar, não só por questões arquivísticas, mas porque gostaria de criar um site sobre todos os lugares de Portugal, disponibilizando on line toda a informação que foi reunindo ao correr dos anos.

Enquanto preparava A cidade do mais antigo nome, Duarte Belo desdobrou-se noutro projecto, Comboio de livros, sobre a Biblioteca Nacional, e aventurou-se num novo território: a ilustração de um livro infantil, O príncipe urso doce de laranja, um conto popular da recolha de Leite Vasconcelos. Descobriu assim uma outra faceta enquanto artista plástico. É que fez os bonecos em cartolina, pintou-os e depois fotografou-os: uma "trabalheira", como reconhece. Valeu-lhe a prática de fazer maquetas, que ganhou no curso de Arquitectura, mas foi bem mais difícil pôr os seus bonecos de pé do que meter-se pelos mais duros caminhos e atalhos, mesmo dos que deram trabalhos. Sobretudo, as figuras humanas deram-lhe que fazer. Já se sabe, o humano é sempre um quebra-cabeças.