Jornal de Letras

Siga-nos nas redes

Perfil

Homem do Leme: A 10.ª Arte

Homem do Leme

  • 333

Presto homenagem ao inventor das escadas. Não falo das escadas rolantes, inventadas por Jess Reno, no final do século XIX, mas das escadas propriamente ditas. Um anónimo, há longos séculos, inspirado provavelmente na natureza, lembrou-se de criar socalcos nas rampas para facilitar a subida e maximizar o espaço.



Presto homenagem ao inventor das escadas. Não falo das escadas rolantes, inventadas por Jess Reno, no final do século XIX, mas das escadas propriamente ditas. Um anónimo, há longos séculos, inspirado provavelmente na natureza, lembrou-se de criar socalcos nas rampas para facilitar a subida e maximizar o espaço. Foram necessárias centenas de anos para verificar que, ao lado das maiores escadarias, calha bem uma rampa de acesso, para facilitar a vida aos deficientes e carrinhos de bebés. Mas a invenção da escada, que hoje nos parece tão óbvia, se pensarmos bem, é algo de absolutamente genial. Talvez ainda mais brilhante do que o elevador.

O mais difícil é chegar à ideia mais simples. O mesmo se aplica aos jogos de computador. O que eu me divertia em criança, num ecrã manhoso, com o poder de controlar duas barras, entre as quais circulava um ponto preto. Para cá e para lá, para lá e para cá. Os videojogos sofreram em tempos uma complexificação excessiva que nem sempre está ligada a uma grande criatividade, antes uma espécie de pirotecnia técnica. Criaram-se objetos muito cheios, próximos de um cinema de ação interativo, com uma aposta gráfica tecnologicamente virtuosa, mas artisticamente pobre. A imitação de cinema de género remeteu o objeto-jogo para a categoria de subproduto. Mas houve sempre quem contornasse a questão, criando alternativas que realmente colocam os jogos de computador ao nível das obras de arte, até porque alguns dos seus criadores são reconhecidos artistas, músicos, escritores. E, se pensarmos bem, é na fusão entre o lúdico, o erudito e o tecnológico que cresceram outras expressões hoje universalmente reconhecidas como artísticas. O jogo pelo jogo, uma brincadeira de crianças ou a 10.ª arte.