Jornal de Letras

Siga-nos nas redes

Perfil

Letras Lusófonas na Alemanha 

JL-Alemanha (em português)

Luís Barra

Portugal será o País Convidado de Honra da Feira do Livro de Leipzig em 2021, o que constitui um desafio e uma oportunidade para a nossa representação diplomática na Alemanha nas suas vertentes cultural, como foco, mas também económica e turística no espírito de afirmação do país no plano externo

João Mira Gomes (Embaixador de Portugal na Alemanha)

A lusofonia é um dos pilares da política externa portuguesa, sendo a cooperação multilateral no âmbito da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) um dos seus principais vetores.

Na Cimeira da CPLP, que teve lugar em julho passado, em Cabo Verde, os seus Estados-membros aprovaram a concessão do estatuto de Observador Associado à Argentina, Chile, França, Reino Unido, Itália, Luxemburgo, Principado de Andorra, Sérvia e à Organização de Estados Ibero-Americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI), ou seja, há um crescente número de parceiros internacionais interessados em associar-se à Comunidade de todos os lusofalantes espalhados pelo mundo. Aliás, a partir de janeiro de 2019 e por um mandato de dois anos, caberá a um diplomata português exercer o cargo de Secretário Executivo da CPLP.

A língua portuguesa é hoje uma das línguas europeias que mais cresce - perspetiva-se um total de 400 milhões de falantes em 2050 e de 500 milhões, a maioria dos quais em África, até 2100.

É nesta perspetiva que a Embaixada de Portugal na Alemanha e o Camões Berlim, delegação do Camões - Instituto da Cooperação e da Língua, que prossegue as atribuições do Ministério dos Negócios Estrangeiros em matéria de cooperação para o desenvolvimento e promoção da língua e da cultura portuguesas, têm vindo a desenvolver o seu trabalho de diplomacia cultural, que inclui a promoção do Livro e da Literatura, em colaboração com o Ministério da Cultura.

Assim, autores de Angola, do Brasil, de Cabo Verde e Moçambique, como foi o caso dos dois Prémios Camões, o mais importante galardão da língua portuguesa – o cabo-verdiano Arménio Vieira e o luso-moçambicano Mia Couto – integraram, a convite do Camões Berlim, as delegações que têm vindo a representar a língua portuguesa na Feira do Livro de Leipzig.

Portugal será o País Convidado de Honra da Feira do Livro de Leipzig em 2021, o que constitui um desafio e uma oportunidade para a nossa representação diplomática na Alemanha nas suas vertentes cultural, como foco, mas também económica e turística no espírito de afirmação do país no plano externo. Bastará recordar que foi já no ano longínquo de 1997 que Portugal foi o País em destaque na Feira do Livro de Frankfurt.

A literatura ocupa um lugar central no projeto Portugal País Convidado da Feira do Livro de Leipzig e os passos já dados com importantes iniciativas, como o convite a editores de língua alemã para se deslocarem a Portugal, têm vindo a contribuir para a construção de um diálogo, que se consubstancia nas recentes edições de autores que ainda não tinham sido publicados na Alemanha, como são os casos de Hélia Correia (vencedora do Prémio Camões em 2015), Raquel Nobre Guerra e Isabela Figueiredo, convidadas a integrar a delegação de autores que estiveram presentes na Feira do Livro de Leipzig entre 2016 e 2018.

Fundado em 1981, o Jornal de Letras (JL) é o veículo em Portugal que, de forma consistente, desde então, por excelência promove as literaturas de língua portuguesa, razão pela qual faz todo o sentido associá-lo ao projeto Portugal País Convidado na Feira do Livro de Leipzig. Gostaria aqui de expressar a minha gratidão ao seu Diretor, José Carlos de Vasconcelos por ter aceite este nosso desafio, mas também a Luís Ricardo Duarte que assumiu a coordenação editorial, a todos os colaboradores do jornal e aos autores que se disponibilizaram a escrever para este primeiro número em alemão do JL.

Numa entrevista ao JL, Sophia de Mello Breyner, a primeira mulher a receber o já mencionado Prémio Camões, em 1998 (10 anos depois de ser instituído), dizia que se recordava de “descobrir que num poema era preciso que cada palavra fosse necessária, as palavras não podiam ser decorativas, não podiam servir só para ganhar tempo até ao fim do decassílabo, as palavras tinham que estar ali porque eram absolutamente indispensáveis. Isso foi uma descoberta.” O projeto que desenvolveremos até 2021 e na sua continuidade não será certamente decorativo, não se encerrará no seu lado celebrativo e tem como missão que a literatura de língua portuguesa seja uma descoberta continuada na Alemanha e no espaço germanófono e que as palavras dos que enriquecem a Língua portuguesa se tornem indispensáveis para o leitor alemão. Desta forma estaremos a contribuir para o posicionamento da língua portuguesa como uma das mais importantes línguas globais do mundo de hoje.